A EQUIPE DO FC08 DESEJA A TODOS...
UM PRÓSPERO ANO NOVO!!

terça-feira, 12 de agosto de 2008

Botafogo: 104 anos gloriosos

Montagem: Ricardo Oliveira (FC08)

Torcerdores do Glorioso,

12 de Agosto de 2008, dia do centésimo quarto aniversário do Botafogo. O Botafogo Football Club, pois um pouco antes, no dia 1º de Julho de 1894 era criado o Botafogo Club de Regatas e em 8 de Dezembro de 1942 ocorreu a fusão resultando no time que conhecemos hoje, o Botafogo de Futebol e Regatas, o Glorioso da estrela solitária.

Durante uma aula de álgebra, ministrada pelo general Júlio Noronha, no bairro de Botafogo, surgia o time para o futebol, o Electro Club. Flávio Ramos e Emmanuel Sodré, eram colegas de classe no Colégio Alfredo Gomes e Flávio enviou um bilhete a Emmanuel que dizia:"O Itamar tem um clube de football na rua Martins Ferreira. Vamos fundar outro no Largo dos Leões? Podemos falar aos Werneck, ao Arthur César, ao Vicente e ao Jacques".

Emmanuel aguardou o fim da aula para expressar seu entusiasmo. Os meninos, que residiam no bairro de Botafogo, próximo ao Largo dos Leões, logo convenceram outros colegas de que não surgiria opção melhor para preencher o vazio daqueles dias de começo de século XX no Rio de Janeiro, em que eram raras as atrações para os adolescentes. Na tarde de sexta-feira, 12 de agosto de 1904, Flávio, Emmanuel e alguns amigos, todos com idades entre catorze e quinze anos, reuniram-se em um velho casarão localizado nas esquinas da rua Humaitá com o Largo dos Leões para oficializar a fundação do clube. Os meninos mal sabiam que naquela brincadeira, estariam fundando um dos maiores times do mundo.

O nome Electro Club surgiu de um talão que os meninos acharam para cobrar a mensalidade, o talão pertencia a um clube de pedrestianismo. O uniforme com listras verticais preta e branca foi aporvado por unanimidade, a idéia do uniforme partiu de Itamar Tavares que estudou um tempo na Itália e era torcedor fanático do Juventus. O nome Electro permaneceu até 18 de setembro de 1904, quando Dona Chiquota, avó de Flávio Ramos disse: -"Meu Deus. Que falta de imaginação! Ora, morando onde vocês moram, o clube só pode se chamar Botafogo".

E assim foi feito, o Electro passou a se chamar Botafogo Football Club. Neste mesmo dia, tomou posse a nova diretoria, composta por Alfredo Guedes de Mello (presidente), Itamar Tavares (vice-presidente), Mário Figueiredo (secretário) e Alfredo Chaves (tesoureiro). Os primeiros treinos aconteceram no Largo dos Leões, e as palmeiras imperiais serviram de balizas. Assim, nascia o Botafogo Football Club. Seus fundadores: Álvaro Cordeiro da Rocha Werneck, Arthur César de Andrade, Augusto Paranhos Fontenelle, Basílio Vianna Júnior, Carlos Bastos Neto, Emmanuel de Almeida Sodré, Eurico Praga Viveiros de Castro, Flávio da Silva Ramos, Jacques Raimundo Ferreira da Silva, Lourival Costa, Octávio Cordeiro da Rocha Werneck e Vicente Licínio Cardoso.

E assim o Botafogo foi crescendo com o passar dos anos, em 1906, com apenas 2 anos, veio o primeiro título no futebol, a Taça Caxambu. Em 1907, o Botafogo disputou o campeonato carioca e terminou empatado em pontos com o tradicional Fluminense, porém, o título só foi reconhecido décadas depois. Em 1910, o Botafogo consagrar-se-ia definitivamente. Ao vencer o Campeonato Carioca de 1910, o time realizou uma campanha marcada por sete goleadas aplicadas sobre os adversários na competição, fato este que lhe rendeu o apelido de O Glorioso. O alvinegro, que naquele campeonato marcara 66 gols, já demonstrava aptidão para marcar várias vezes anteriormente. No ano anterior, aplicou 24 a 0 sobre o Sport Club Mangueira (até hoje a maior goleada da história do futebol brasileiro em jogos oficiais). Nesta mesma época de transição de décadas, o Botafogo ainda fez 15 a 1 sobre o Riachuelo, 13 a 0 e 11 a 0 no Haddock Lobo, 9 a 0 contra o Internacional, entre outras goleadas mais.


A FUSÃO

A união foi apressada por uma tragédia: no dia 11 de junho de 1942, os dois clubes, que também tinham atividades em outros esportes, disputavam uma partida de basquete pelo Campeonato Carioca, no Mourisco Mar, sede do Club de Regatas Botafogo. Nesse dia, o jogador Armando Albano, do Football Club, chegou atrasado ao jogo que já havia começado, entrando com o jogo em andamento. Durante o intervalo, Armando Albano abaixou-se para pegar uma bola e caiu desfalecido. Os médicos correram, fizeram todos os atendimentos possíveis, mas o jogador havia sido fulminado por um infarto.

Depois de confirmada a morte do jogador, a partida foi interrompida faltando dez minutos para o final, quando o placar marcava 21 pontos para Club de Regatas e 23 para Football Club. O corpo de Albano saiu da sede de General Severiano e, quando passava em frente ao Mourisco Mar, houve uma parada. Os presidentes dos clubes fizeram um pronunciamento:

"E comunico nesta hora a Albano que a sua última partida resultou numa nítida vitória. O tempo que resta do jogo interrompido, os nossos jogadores não disputarão mais. Todos nós queremos que o jovem lutador desaparecido parta para a grande noite como um vitorioso. E é assim que o saudamos." - Augusto Frederico Schmidt, presidente do Club de Regatas Botafogo.

"Nas disputas entre os nossos clubes só pode haver um vencedor: o Botafogo!" - Eduardo Góes Trindade, presidente do Botafogo Football Club.

"O que mais é preciso para que os nossos dois clubes sejam um só?" - Augusto Frederico Schmidt, selando a fusão.

Após esse fato, o Botafogo viveu seus tempos de Glória, tendo abrigado em General Severiano o Gênio Garrincha, a enciclopédia Nílton Santos, o canhotinha Gérson, o furacão Jairzinho, Túlio Maravilha, Maurício, Didi, Geninho, Manga, Quarentinha, Bebeto, Zagallo, entre outros. Além dos craques fora de campo: João Saldanha e Carlito Rocha.

O Botafogo viveu também o seu tempo de agônia, foram 21 anos sem ganhar um título oficial, em 1989, Maurício completou para o gol um cruzamento de Mazzolinha fechando a conta na final do estadual contra o Flamengo. Em 2002, quando caiu para a segunda divisão e voltou NO CAMPO fazendo resgatar o orgulho de ser alvinegro, aquele inesquecível jogo contra o Marília, os 3 a 1 e a raça de Sandro ao repetir o gesto de quebrar a porta do vestiário como fez na queda, mas desta vez foi com alegria.

O Botafogo do Mané e seu compadre Nilton, o time recordista brasileiro de jogos invictos (52 jogos, entre 1977 e 1978), o time da maior goleada da história do futebol brasileiro, 24 x 0 sobre o Mangueira (1909), o time que o Beckembauer procurou na tabela do brasileiro, não encontrou e achou um absurdo toda aquela tradição ter sido rebaixada para a série B (2003), o time que é o único no Brasil campeão de dois séculos, o time que ficou 3 anos sem ganhar um clássico, e quando ganhou foi campeão, o time da superstição, o time da alegria do povo.

O nome do meu time é BOTAFOGO DE FUTEBOL E REGATAS! Infeliz do ser humano que não é BOTAFOGO nem por 5 minutos para saber o que é a vida!

Parabéns fogão, que venham mais 104 anos de algria e títulos.

Um comentário:

Anônimo disse...

Valeu Fogão!!!

BOTAFOGO 4 x 2 FLUMINENSE
Data – 22 / 09 / 1907
Local – Rua Guanabara
Árbitro – Carl Waymar
Competição – Campeonato Carioca
Botafogo – Álvaro Werneck, Raul Rodrigues e Octávio Werneck; Normann Hime, Ataliba Sampaio e Lulú Rocha; Rolando de Lamare, Flávio Ramos, Canto, Gilbert Hime e Emmanuel Sodré.
Fluminense – Waterman, Victor Etchegaray e W. Salmond; João Leal, Edgard Gulden e Alberto Borgerth; Oswaldo Gomes, Alex Martins, Reidy, Emile Etchegaray e Félix Frias.
Gols – Flávio Ramos (3) e Gilbert Hime p/o Botafogo; Oswaldo Gomes (2) p/o Fluminense.


BOTAFOGO 6 x 2 FLUMINENSE
Data – 09 / 08 / 1908
Local – Rua Guanabara
Árbitro – Victor Etchegaray
Competição – Amistoso
Botafogo – Coggin, Octávio Werneck e Mário Maia; Ataliba Sampaio, Viveiros de Castro e João Leal; Henrique Teixeira, Flávio Ramos, Edwin Cox, Raphael Sampaio e Emmanuel Sodré.
Fluminense – V. Coimbra, W. Salmond e Félix Frias; Gulden, Nestor Macedo e Álvaro Werneck; O. Bueno, Octávio Simonsen, Costa Santos, Emile Etchegaray e Gustavo de Carvalho.
Gols – Edwin Cox (4) e Flávio Ramos (2) p/o Botafogo; Costa Santos (2) p/o Fluminense.
Obs: João Leal e Edwin Cox (Fluminense) reforçaram o Botafogo. Assim como Álvaro Werneck (Botafogo) reforçou o Fluminense.


BOTAFOGO 24 x 0 MANGUEIRA (RJ)
Data – 30 / 05 / 1909
Local – Rua Voluntários da Pátria
Árbitro – Antônio Miranda
Competição – Campeonato Carioca
Botafogo – Coggin, Raul Rodrigues e Dinorah; Rolando de Lamare, Lulú Rocha e Edgard Pullen; Henrique Teixeira, Flávio Ramos, Monk, Gilbert Hime e Emmanuel Sodré.
Mangueira – Luiz Guimarães, José Perez e Carlos Mongey; Victor, Jonas Cunha e Justino Fortes; Alberto Rocha, João Pereira, Menezes e Maranhão.
Gols – Gilbert Hime (9), Flávio Ramos (7), Monk (2), Lulú Rocha (2), Raul Rodrigues, Dinorah, Henrique Teixeira e Emmanuel Sodré.
Obs: O S. C. Mangueira (das cores vermelha e preta) atuou com 10 jogadores.


BOTAFOGO 6 x 1 FLUMINENSE
Data – 25 / 09 / 1910
Local – Rua Voluntários da Pátria
Árbitro – A. W. Hassell
Competição – Campeonato Carioca
Botafogo – Coggin, Edgard Pullen e Dinorah; Rolando de Lamare, Lulú Rocha e Lefévre; Emmanuel Sodré, Abelardo de Lamare, Décio Viccari, Mimi Sodré e Lauro Sodré.
Fluminense – Waterman, Félix Frias e Ernesto Paranhos; Nery, Mutzenbecher e Gallo; Millar, Oswaldo Gomes, Edwin Cox, Gilbert Hime e A. Borgerth.
Gols – Abelardo de Lamare (3), Décio Viccari (2) e Mimi Sodré p/o Botafogo; Lulú Rocha (contra) p/o Fluminense.


BOTAFOGO 5 x 3 FLUMINENSE
Data – 06 / 05 / 1923
Local – Laranjeiras
Árbitro – Paulo Buarque de Macedo
Competição – Campeonato Carioca
Botafogo – Casemiro, Mário Braga e Alemão; Baby Rodrigues, Caruso e Lagreca; Leite de Castro, Riva, Nilo, Juca da Praia e Maciel.
Fluminense – Ramos, Cláudio e Chico Netto; Laís, Bordallo e Fortes; Renato Vinhaes, Paulo Vianna, Zezé, José Coelho e Moura Costa.
Gols – Nilo (3), Riva e Juca da Praia p/o Botafogo; Zezé (2) e Renato Vinhaes p/o Fluminense.


BOTAFOGO 3 x 1 FLUMINENSE
Data: 15 / 04 / 1951
Local: Sylvio Raulino de Oliveira, Volta Redonda (RJ)
Árbitro: Jayme Teixeira Braga
Competição: Amistoso
Gols: 1° tempo - Botafogo 2 a 0 (Zezinho e Vinícius); Final - Botafogo 3 a 1 (Joel e Vinícius)
Botafogo: Osvaldo Baliza, Gérson e Nílton Santos; Rubinho (Araty), Ávila e Juvenal (Richarde); Paraguaio (Jarbas), Geninho (Neca), Pirillo (Orlando Vinhas), Vinícius e Zezinho.
Fluminense: Alude (Castilho), Duarte (Píndaro) e Chiquinho (Pinheiro); Waldir, Pé-de-Valsa e Jair; Reis, Zildo (Russo), Jerônimo, Zé Henrique (Orlando ‘Pingo de Ouro’) e Joel.


BOTAFOGO 5 x 1 FLUMINENSE
Data – 04 / 04 / 1954
Local – General Severiano
Árbitro – Alberto da Gama Malcher
Competição – Amistoso
Botafogo – Amaury, Thomé (Orlando Maia) e Floriano; Araty, Bob (Richarde) e Ruarinho; Neyvaldo (Garrincha), Geninho (Paulinho), Dino, Carlyle (Jayme) e Vinícius. Técnico: Gentil Cardoso.
Fluminense – Adalberto, Píndaro e Duque; Vítor (Jair), Gilberto (Édson) e Bigode; Telê, Villalobos, Larry (Edmílson) (Ramiro), Róbson e Esquerdinha (Quincas). Técnico: Francisco de Souza “Gradim”.
Gols – Dino (2), Carlyle, Neyvaldo e Jayme p/o Botafogo; Esquerdinha p/o Fluminense.


BOTAFOGO 5 x 0 FLAMENGO
Data – 29 / 09 / 1956
Local – Maracanã
Árbitro – Mário Vianna
Competição – Campeonato Carioca
Botafogo – Amaury, Orlando Maia, Thomé e Nílton Santos; Bob e Bauer; Garrincha, Didi, Paulinho Valentim, Alarcón e Hélio. Técnico: Geninho.
Flamengo – Chamorro, Tomires e Pavão; Jadir, Mílton Copolillo e Jordan; Paulinho, Duca, Índio, Evaristo e Zagallo. Técnico: Fleitas Solich.
Gols – Paulinho Valentim (2), Alarcón (2) e Didi.


BOTAFOGO 6 x 2 FLUMINENSE
Data – 22 / 12 / 1957
Local – Maracanã
Árbitro – Alberto da Gama Malcher
Competição – Campeonato Carioca (decisão)
Botafogo – Adalberto, Beto, Thomé, Servílio e Nílton Santos; Pampolini e Didi; Garrincha, Paulinho Valentim, Édison e Quarentinha. Técnico: João Saldanha.
Fluminense – Castilho, Cacá, Pinheiro, Clóvis, Jair Santana e Altair; Telê, Jair Francisco, Valdo, Róbson e Escurinho. Técnico: Sylvio Pirillo.
Gols – Paulinho Valentim (5), sendo um de bicicleta e Garrincha p/o Botafogo; Escurinho e Valdo p/o Fluminense.


BOTAFOGO 6 x 0 FLAMENGO
Data – 15 / 11 / 1972
Local – Maracanã
Árbitro – José de Assis Aragão
Competição – Campeonato Brasileiro
Botafogo – Cao, Mauro Cruz, Waltencir, Osmar e Marinho Chagas; Carlos Roberto, Nei Conceição e Ademir Vicente (Marcos Aurélio); Zequinha, Fischer (Ferretti) e Jairzinho. Técnico: Sebastião Leônidas.
Flamengo – Renato, Moreira, Chiquinho Pastor, Tinho e Rodrigues Neto; Liminha, Zanata (Mineiro) e Paulo Cézar Caju; Rogério (Caio), Humberto e Fio Maravilha. Técnico: Zagallo.
Gols – Jairzinho, aos l5’, Fischer, aos 35’ e 41’ do l° tempo; Jairzinho, aos 23’ e 38’ (de letra), e Ferretti, aos 42’ do 2° tempo.


BOTAFOGO 3 x 0 FLAMENGO
Data – 13 / 04 / 2008
Local – Maracanã
Árbitro – Péricles B. Pegado Cortez
Competição – Campeonato Carioca
Botafogo – Castillo, Alessandro (Túlio Souza), Renato Silva, André Luís e Triguinho; Túlio, Diguinho, Lúcio Flávio (Fábio) e Zé Carlos; Jorge Henrique e Wellington Paulista (Leandro Guerreiro). Técnico: Cuca.
Flamengo – Bruno, Leonardo Moura, Fábio Luciano, Ronaldo Angelim e Juan; Cristian (Obina), Kléberson, Íbson e Toró; Renato Augusto (Diego Tardelli) e Souza (Marcinho). Técnico: Joel Santana.
Gols – Wellington Paulista, Alessandro e Lúcio Flávio.