A EQUIPE DO FC08 DESEJA A TODOS...
UM PRÓSPERO ANO NOVO!!

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

do fundo do baú: Botafogo 3 x 0 Grêmio(RS) (1974)

No dia 3 de Fevereiro de 1974, num Domingo, Botafogo e Grêmio se enfrentaram em jogo válido pelo Campeonato Brasileiro de 1973 no Estádio do Maracanã com a vitória do clube da estrela solitária por 3 tentos a 0.
Nesse ano o Palmeiras foi o Campeão Brasileiro.

Principal artilheiro do campeonato

Ramon (Santa Cruz): 21 gols

O Jogo

BOTAFOGO (RJ) 3 x 0 GRÊMIO (RS)
Data:
03 /02 /1974
Campeonato Brasileiro de 1973
Local: Estádio do Maracanã
Árbitro: Dulcídio Vanderlei Boschillia
Gols: Nílson Dias (2) e Jairzinho.
BOTAFOGO: Wendell, Miranda, Waltencir, Osmar e Marinho Chagas; Carbone,
Carlos Roberto e Dirceu; Puruca, Nílson Dias e Jairzinho (Ferretti) / Técnico: Paraguaio.
GRÊMIO: Picasso, Everaldo, Renato Cogo, Beto e Tabajara; Carlos Alberto e
Paulo Sérgio (Humberto Ramos); Carlinhos, Mazinho (Rubens), Tarciso e Loivo / Técnico: Carlos Frôner.


O Craque: Osmar Guarnelli

Crédito da foto: www.alvarezonline.kit.net

Depois de revelar para o Botafogo de Futebol e Regatas jogadores com Rogério, Jairzinho, Roberto Miranda, Nilson Dias, Paulo César Lima, Carlos Roberto, Nei Conceição, Mendonça e tantos outros, antes de deixar o Glorioso, Neca, mentor de todos esses ídolos botafoguenses e do futebol brasileiro, haveria de marcar o seu trabalho, deixando, também, o zagueiro Osmar Guarnelli.

Carioca do Rio de Janeiro, nascido no dia 18 de fevereiro de 1952, Jorge Osmar Guarnelli chegou ao Botafogo ainda garoto, juvenil, mostrando para todos que, finalmente o clube teria dentro de poucos anos um substituto para Zé Carlos, um dos mais completos jogadores de defesa da história botafoguense.

Foi em 1972, quando o Botafogo já havia tentado resolver o problema da sua zaga contratando Sebastião Leônidas e até o tricampeão mundial Brito e mais tarde Scalla, que o torcedor botafoguense conheceu Osmar Guarnelli, um jovem de apenas 20 anos, jogando, ora ao lado de Brito, ora ao lado de Leônidas,

Técnico as seleção brasileira, Mário Jorge Lobo Zagallo, ainda emocionalmente ligado ao Botafogo – onde fora bicampeão estadual de 62/63 e mais tarde repetindo o feito em 67/68 – conhecia de perto o elenco botafoguense e o trabalho de qualidade desenvolvido por Neca.

Tricampeão mundial pela seleção ao lado dos botafoguenses Rogério, Jairzinho, Paulo César, Roberto Miranda e Gerson, Zagallo resolveu assumir o comando da seleção brasileira para os Jogos Olímpicos de 1972, em Munique, na Alemanha. Mercê do seu excelente futebol, Osmar Guarnelli fora convocado para as duas seleções brasileiras (principal e olímpica), juntamente com o atacante Washington, que os mais apressados resolveram nomear de “o novo Pelé”.

Após os treinamentos – e pela impossibilidade prática de continuar atendendo às duas seleções – Zagallo resolveu cortar Osmar da seleção principal, deixando-o como titular apenas na seleção olímpica. O time não foi bem nos Jogos Olímpicos de Munique – claro, não foi por responsabilidade de Osmar!

No Botafogo, jogando ao lado de Brito, Leônidas, Renê e tantos outros companheiros de zaga como Nilson Paulino, Abel, Osmar Guarnelli afirmou-se como excelente zagueiro e permaneceu no Glorioso de 1972 até 1979. Jogou também ao lado de Chiquinho, Fred e até de Artur “Pai d’Égua”, este recentemente falecido.

Mas foi defendendo as cores do Botafogo de Futebol e Regatas, num clássico diante do Vasco da Gama, no Maracanã que, numa bela tarde de domingo e de estádio cheio que Osmar Guarnelli participou de uma das mais antológicas jogadas do futebol brasileiro.

O jogo, por volta dos 25 minutos do segundo tempo, permanecia com o placar de 0 a 0. O volante Zanata, recebera passe pelo lado direito do Vasco da Gama do também volante Zé Mário e, erguendo a cabeça, foi encontrar Roberto Dinamite dentro da área defendida pelo Botafogo. Roberto Dinamite amorteceu a bola no peito e, com um leve toque, deu um lençol no zagueiro Osmar Guarnelli e mandou a bola para o fundo das redes defendidas pelo goleiro pernambucano Wendel, naquela época também goleiro da seleção brasileira.

Segundo Roberto Dinamite, em entrevistas posteriores, aquela foi a única fórmula que lhe veio à mente, naquele momento, para se livrar da ferrenha marcação imposta pelo zagueiro Botafoguense. Esse lance aconteceu em 1976 e o Vasco derrotou o Botafogo por 2 a 1.

Osmar nunca foi campeão pelo Botafogo. Em 1979 transferiu-se para o Clube Atlético Mineiro e os títulos começaram a chegar. Foi ums dos principais jogadores do Galo Mineiro até 1983, ao lado de craques como Luizinho, Reinaldo, Éder Aleixo, Toninho Cerezzo, Palhinha, João Leite e Jorge Valença.

No mesmo ano em que chegou ao Atlético (1979), Osmar Guarnelli foi campeão mineiro. Foi bi, em 80 e tri em 81. Foi tetracampeão em 82 e penta em 83, quando, finalmente largou o Galo, transferindo-se para a Ponte Preta de Campinas/SP. Defendeu as cores da macaca até 1986 indo depois para o São José de São José dos Campos

Em 1987 iniciou carreira de treinador, dirigindo o Inhumense e depois o Uberlândia, ambos de Minas Gerais. Já foi técnico de alguns dos principais clubes de Goiás, Mato Grosso do Sul e outros tantos do Nordeste. Treinou o Volta Redonda e o América/RJ. É um treinador em atividade e, em entrevista não muito distante, revelou que gostaria de trabalhar no seu Botafogo de Futebol e Regatas como treinador.

Por: José de Oliveira Ramos

Fonte: http://www.jornalpequeno.com.br

Jorge OSMAR GUARNELLI
Posição:
Zagueiro-Central
Data de Nascimento: 18/02/1952
Cidade: Rio de Janeiro-RJ

Carreira:
Categoria de Base: Botafogo-RJ.
Profissional: Botafogo-RJ (1972-1979);
Atlético Mineiro (1979-1983);
Ponte Preta-SP;
São José-SP

Disputou os jogos olímpicos de 1972 pela Seleção Brasileira. Bola de Prata da “Revista Placar” em 1979, como melhor zagueiro-central.


No Atlético: Foram 222 Jogos e sem marcar um gol.
Títulos pelo Atlético (MG):
Campeão Mineiro – 1979, 1980, 1981, 1982 e 1983
Campeão da Taça Minas Gerais – 1979

Fonte:
http://100anosgalo.blogspot.com/

Fez 42 jogos pelo São José. No São José foi campeão do Grupo Amarelo da Divisão Especial (A2) em 87, acesso para o Paulistão.

Fonte:http://www.albertosimoes.com.br/saojose/biografia/o.htm

Osmar é o 10º jogador do Botafogo em número de jogos com 387 e 4 gols (1970 a 1979).
Fonte: Pedro Varanda

3 comentários:

Vinícius Barros disse...

Caramba... 5 estaduais seguidos??? Grande feito!!! No Rio o máximo foram 4 seguidos conquistados pelo Fogão!!!

Rodrigo Estevam disse...

Está foi do fundo do baú mesmo em cara 1974 rsrs... a e pode esperar que o Mengão vai bater esta marca... ja conquistamos 2007 e 2008 agora 2009, 2010 e 2011, difícil é mas iremos conseguir !! rsrs...

Abração!

Rodrigo Estevam
driblenet.blogspot.com

sergio macedo disse...

Há um engano no relato do gol em que o Roberto Dinamite deu lençol no Osmar Guarneli. Não foi aos 25minutos do 2º tempo. O Botafogo vencia o jogo por 1 x 0 e, aos 25 minutos do 2º tempo, Roberto deu um drible desconcertante no meio-campista Ademir Vicente (o Caçador de Craques) e empatou num chute sem ângulo.Já o famoso gol do lençol valeu o desempate e saiu aos 45 minutos do 2º tempo.