A EQUIPE DO FC08 DESEJA A TODOS...
UM PRÓSPERO ANO NOVO!!

quinta-feira, 31 de julho de 2008

PAGUE 15, GANHE 2

Ibson tenta ganhar de Elder Granja
Foto: O Globo

Torcedores do Mais Querido do Brasil!

Não é propaganda, dos últimos 15 pontos em disputa, o Flamengo só conquistou dois. Já é o quarto colocado no Campeonato Brasileiro e vem descendo a ladeira. Vamos vencer e convencer! São cinco jogos sem derrotar um adversário.

Assim não dá. O Flamengo joga melhor, tem maior posse de bola, mas não consegue marcar um gol sequer. Está mais do que provado que Ibson não sabe atuar como um homem de ligação no meio-campo. Ontem, ele esteve perdido e em todos os passes que tentava executar, errava. Estava mais preocupado em pedir a marcação de faltas e um pênalti próximo aos 45 minutos finais (que não houve) do que jogar.

Os laterais estavam apagados. Juan esteve em uma de suas piores partidas no campeonato. Nem o pé calibrado nos cruzamentos estava dando certo. Léo Moura muito marcado e querendo resolver sozinho em certas ocasiões atrapalhava o time.

Esse ataque é cardíaco. Obina tenta, tenta, tenta, mas não consegue. Não foi um dos piores, mas também não chega a agradar como antes. Como a bola não chegava aos homens de frente, Diego Tardelli vinha constantemente ao meio-campo para buscar jogo. O problema maior está aqui, no setor de meio-campo. Jogar com quatro volantes, é dose! Felipe tem que chegar logo e acabar com esse problema. Vandinho estará à disposição para o confronto sábado com o líder Cruzeiro, e será mais uma opção para o escasso ataque rubro-negro. Vamos ver como se comporta esse atacante ao ver uma Nação fervorosa que com certeza lotará o Maracanã.

Falando ainda em ataque, a situação estava tão feia, que na primeira etapa, Jailton surgiu como um foguete, arrancou com a bola da intermediária e na entrada da área chutou cruzado, assustando o goleiro Marcos (melhor jogada do time no primeiro tempo).

Dos poucos que se salvaram essa noite está o goleiro Bruno, que executou grandes defesas, com destaque para o chute de Diego Souza aos 20 minutos.

Outro problema que afeta o elenco do Flamengo são as contusões. Ontem, mais um saiu de campo machucado, e dessa vez, foi o zagueiro Ronaldo Angelim. Dininho entrou na equipe e foi por um falha de marcação do camisa 34 que Sandro Silva chutou forte e marcou o único gol da partida.

Caio Júnior também falhou. Esse menino Airton é um excelente jogador. Entrou na vaga do Toró, que fez uma boa partida, e mostrou personalidade como sempre, bons desarmes e boa troca de passes com os companheiros. Erick Flores não foi nem relacionado para o banco de reservas. Se no grupo de jogadores não há um meio-campo armador, como pode “barrar” o único que faz essa função?

Aos 33 minutos, o nosso Harry Potter tirou Obina para a entrada de Maxi. Aí sim, acabou as chances de gol. Se antes, nem Obina estava conseguindo balançar as redes como um jogador de área, o que dirá com o baixinho Biancucchi e Diego Tardelli.

Não só a mim, mas há muitos rubro-negros irritados com a forma com que Leonardo Moura e Jonatas (outro barrado) saíram do campo do Palestra Itália, sorrindo, como se os três pontos tivessem ganhos. Eles estão de brincadeira, não é a toa que o treino após a derrota para o América-MEX foi uma “diversão” na Gávea, com brincadeiras e nenhum pouco de sentimento com uma torcida apaixonada. Queremos vitórias, chegou a hora de cobrarmos com mais atitude.

PALMEIRAS 1 X 0 FLAMENGO

Local: Palestra Itália, em São Paulo (SP)
Data: 30 de julho de 2008, quarta-feira
Horário: 21h50 (de Brasília)
Árbitro: Leonardo Gaciba (Fifa-RS)
Assistentes: Marcelo Bertanha e Paulo Ricardo Conceição (ambos do RS)
Público: 26.854 pessoas
Renda: R$ 780.035,00
Cartões amarelos: Gladstone e Valdívia (Palmeiras); Dininho (Flamengo)
Cartão vermelho: Léo Lima (Palmeiras)
Gol: Sandro Silva, aos sete minutos do segundo tempo.

PALMEIRAS: Marcos; Elder Granja, Jéci, Gladstone e Leandro; Sandro Silva, Jumar, Diego Souza (Léo Lima) e Valdívia (Maicosuel); Kléber e Alex Mineiro (Denílson)
Técnico: Wanderley Luxemburgo

FLAMENGO: Bruno (7.0); Leonardo Moura (5.0), Fábio Luciano (6.5), Ronaldo Angelim (sem nota), (Dininho - 4.5) e Juan (5.0); Jaílton (6.0), Cristian (5.5), Toró (6.0) (Airton - 6.5) e Ibson (5.0); Diego Tardelli (5.5) e Obina (5.5) (Maxi Biancucchi - 5.0)
Técnico: Caio Júnior (5.5)

quarta-feira, 30 de julho de 2008

Túlio Guerreiro, por uma noite, artilheiro

3 pontos, 2 gols e 1 sorriso
Foto: Agencia o Globo

Torcedores do Glorioso,

Em crescente no campeonato, o Botafogo encarou o Goiás no caldeirão do Engenhão. Além da expectativa de como o fogão se comportaria, as atenções estavam voltadas para a marcação de Fernando em Carlos Alberto. Essa seria a primeira vez que os irmãos se enfrentariam. A volta de Lúcio Flávio ao time principal, também estava na pauta de observações para o jogo. Mas ninguém lembrou-se de um camisa 5 conhecido tanto no Goiás quanto no Botafogo, Túlio, o guerreiro, marcou dois gols e confirmou a boa fase alvinegra. Fogão 2 a 0.

O glorioso começou um pouco devagar na partida, devido a forte marcação do esmeraldino. Numa das tentativas de parar o ataque alvinegro, o Goiás fez a falta que originou o primeiro chute do Bota ao gol. André Luís soltou a bomba e Harlei não conseguiu segurar a bola, jogando-a pela linha de fundo. Aos 28, depois de troca de passes e duas faltas que a arbitragem deu vantagem, Túlio chutou de fora da área, a bola desviou no zagueiro e encobriu Harlei. O primeiro do jogo. Botafogo 1 a 0.

O gol de Túlio abriu os caminhos para o fogão. Aos 33 minutos, o camisa 10 Lúcio Flávio cobrou falta no cantinho para excelente defesa de Harlei. Chegou o momento em que o Goiás não conseguiu evitar as tentativas do glorioso. Mais um gol do dono da noite, Túlio. Depois de tabela com Lúcio Flávio, com direito a um "corta-luz", o volante alvinegro soltou um chute preciso no canto de Harlei que ficou parado olhando a redonda morrer no fundo do gol. Botafogo 2 a 0.

Na volta do intervalo, os dois times esqueceram o futebol ofensivo do primeiro tempo no vestiário. A primeira oportunidade consciente da segunda etapa, foi com o incansável Túlio. Após tabela, o camisa 5 soltou a bomba e Harlei evitou o terceiro. O Goiás respondeu logo depois, Vítor cobrou falta e a bola descaiu no travessão de Castillo que só observou.

Sentindo que a torcida queria mais, Ney Franco colocou Gil em lugar de Jorge Henrique. Não demorou muito para o atacante ter sua oportunidade de marcar. Lúcio Flávio cruzou a direita e Gil cabeceou rente a trave. O Botafogo só chegou novamente aos 44, com chute de Diguinho, noite de volantes no Engenhão, mas Harlei interviu com qualidade. E ficou nisso, Botafogo em ascensão 2, Goiás 0.

BOTAFOGO 2 x 0 GOIÁS

Estádio: Engenhão, no Rio de Janeiro (RJ).
Data: 30/07/2008.
Árbitro: Luiz Flávio de Oliveira (SP).
Auxiliares: Evandro Luís Silveira (SP) e Marcelino Tomaz de Brito Neto (SP).
Cartões amarelos: Carlos Alberto, Wellington Paulista, Triguinho (Botafogo); Rafael Marques, Ernando, Henrique, Thiago Feltri, Romerito (Goiás).
Cartão vermelho: Ernando (Goiás).
Público: 15.798 pagantes. Renda: R$ 133.485,00.
Gols: Túlio, aos 28 e aos 44 minutos do primeiro tempo.

Botafogo: Castillo; Alessandro (Thiaguinho), Renato Silva, André Luis e Triguinho (Eduardo); Túlio, Diguinho, Lúcio Flávio e Carlos Alberto; Jorge Henrique (Gil) e Wellington Paulista.Técnico: Ney Franco

Goiás: Harlei; Rafael Marques (Thiago Feltri), Henrique, Ernando e Vitor; Fernando, Ramalho, Romerito e Julio Cesar (Rinaldo); Paulo Baier (Adriano Gabiru) e Iarley.Técnico: Hélio dos Anjos.

FLU: CONTRATAÇÕES DE PESO COM DÍVIDAS EXORBITANTES

Presidente Horcades tem trabalho com as dívidas do clube
Foto: Globoesporte.com


O Fluminense corre atrás de reforços de peso. Números astronômicos são cogitados para contratar o volante Mineiro, o atacante Rafael Sobis e os dois meio-de-campo: William, do Shakhtar Donetsk e o argentino Dátolo, pela cifra agora de U$$ 5 milhões. Vejamos abaixo se o Tricolor das Laranjeiras tem dinheiro em caixa para trazer tantos craques da bola.

De acordo com matéria publicada no blog Futebol & Negócio, a situação do Fluminense não é nada animadora. Até mesmo a parceria com a Unimed anda estremecida após o fiasco na final da Libertadores. O presidente Roberto Horcades terá muito trabalho para pôr as contas em dia. Veja os gráficos e confira.

"Chegou a vez de falarmos sobre o balanço do Fluminense, mais um dos grandes clubes do Brasil a publicar suas informações contábeis. Para os torcedores do tricolor carioca, no entanto, as notícias não são nada animadoras…

Quem ler o balanço do clube provavelmente será levado a fazer a mesma pergunta que eu me fiz: como um clube com a tradição esportiva e a torcida de expressão nacional do Fluminense chegou a uma situação financeira tão desastrosa? Uma das respostas, eu creio, está na absoluta impunidade fiscal que privilegiava os clubes e, principalmente, seus dirigentes até a entrada em vigor da Lei Pelé.

O déficit do Fluminense em 2007 foi monumental: R$ 139,4 Milhões! OK, vamos considerar que a grande maior parte desse déficit é contábil, e portanto não representou volume de dinheiro saindo do caixa do clube no exercício. Mais de R$ 100 Milhões foram provisionados contabilmente para contingências fiscais, trabalhistas e cíveis, e nesse valor se encontra parte da dívida fiscal assumida com a Timemania, que totaliza R$ 114,6 Milhões. Ainda assim, descontando-se as provisões e os altos valores de depreciação (que também não representam dinheiro saindo do caixa do clube), o déficit alcançou os R$ 24,5 Milhões.

Veja abaixo o resultado do Fluminense em 2007 e sua comparação com os números de 2006:

Em empréstimos de curto prazo o Flu deve nada menos que R$ 12,7 Milhões. Com relação à Unimed (questão levantada por vários leitores) a dívida é de 1 Milhão de reais, aproximadamente.
Em um cálculo aproximado, a dívida total do Fluminense supera os R$ 200 Milhões.

Para piorar a situação, o Flu antecipou mais de R$ 8 Milhões em receitas no ano de 2007 (R$ 4,5 Milhões apenas com a TV Globo), e sobre todas as suas rendas a partir de 2008 serão descontados 22% para pagamento de dívidas trabalhistas no valor de R$ 38 Milhões, cumprindo acordo firmado em dezembro do ano passado através do TRT do Rio de Janeiro, com o compromisso de que sejam pagos através desse mecanismo, no mínimo, dez milhões anuais. Até a assinatura desse acordo o clube tinha 15% descontados em todas as suas rendas, cumprindo acerto anterior.

Para que se tenha uma idéia da magnitude desse compromisso, lembro que as receitas totais do tricolor em 2007 não chegaram a R$ 40 Milhões.

Abaixo apresento a composição de receitas do departamento de futebol do Fluminense e, separadamente, do depto.social e esportes amadores:


Observem que as receitas de direitos de TV representam quase 60% de tudo que o futebol auferiu em 2007. E o que é pior: o Flu não contou com a tábua de salvação utilizada pela maioria dos clubes brasileiros; o dinheiro conseguido com a venda (e empréstimos) de jogadores foi muito pequeno, não chegando a um milhão e meio de reais. Para que se tenha uma idéia, o jogador Lenny foi emprestado ao Sporting de Braga por um ano - até 30/06/2008 - pela quantia aproximada de R$ 250 mil.

As receitas de bilheteria são muito pequenas em valores absolutos e os valores de patrocínio bastante baixos, ainda que tenham crescido 21% em 2007.

Para esse ano, espera-se que o Fluminense ao menos tenha melhores resultados com a bilheteria, em função da boa campanha que teve na Taça Libertadores da América. Por outro lado, aparentemente o custo com o futebol está aumentando em 2008.

Interessante notar que o clube declara em seu balanço um patrimônio que chega a quase R$ 320 milhões, sendo R$ 257 Milhões em imóveis da sede social – a reavaliação a preços de mercado foi feita e aprovada pelo conselho do clube em 2005. Em outras palavras, o Flu, ao menos em seu balanço e a despeito de variáveis de mercado imobiliário e liquidez, possui um patrimônio que lhe dá suporte para tomar decisões estratégicas que lhe permitam sobreviver."


Matéria: Mauricio Bardella - Futebol & Negócio

segunda-feira, 28 de julho de 2008

OLHA A FERA!

Vandinho comemorando gol ao lado do companheiro de time
Foto: Arquivo de Internet

Na noite dessa segunda-feira, o Flamengo anunciou a contratação do atacante de 21 anos, Vandinho, do Avaí. O jogador é um dos melhores atacantes do Brasil segundo os especialistas, mas para mim há uma diferença muito grande em jogar no time catarinense e atuar pelo maior clube do mundo. Não desmerecendo o alvianil de Santa Catarina, mas lá a pressão não é tão grande como será no rubro-negro carioca.

Vanidnho já marcou 27 gols na temporada e tinha a multa rescisória estipulada em 12 milhões de reais. Mas a boa relação da Traffic (detentora de parte dos direitos do jogador) e o Flamengo facilitou a negociação. Entretanto, os valores não foram confirmados e ninguém poderá saber quanto o Mais Querido do Brasil gastou com o atacante.

Sinceramente, torço muito para que o centroavante chegue e arrase com os adversários, mas vou aguardar as primeiras atuações do atleta para me pronunciar. Depois de ver Dimba, Souza, Fernando Baiano e outros tantos não vingarem com o Manto Sagrado, quero ter muita calma nessa hora. Mas já há quem diga que ele é craque (veja o vídeo abaixo).

O pacotão de contratações ainda conta com Eltinho, lateral-esquerdo, outro que poucos conhecem, eu particularmente nunca ouvi falar, e é mais uma aposta do técnico Caio Júnior que o conhece. O jovem Everton, de 18 anos, é outro jogador contratado, mas só se incorporará ao grupo do Flamengo em 2009. Por enquanto ele continua no Paraná Clube. Felipe só aguarda a liberação do Al-Saad para se apresentar na Gávea (esse sim é o jogador de que precisamos).

Michel Assef viajará para acabar com essa novela envolvendo o Maestro Felipe e aproveitar para trazer Vagner Love. Esse dinheiro conseguido com a venda dos jogadores da base e do elenco profissional cobrirá essas despesas ou entraremos com mais penhoras e emprésimos bancários para suprir todas essas possíveis dividas?

----------------------------------------------------

LEANDRO ZARATE A PRONTO DE BALA
Leandro Zarate no primeiro treinamento com bola - Foto: Globoesporte.com

Já o atacante Zarate, do Botafogo, começou a treinar com o grupo alvinegro. Hoje à tarde, o argentino treinou com bola pela primeira vez e mostrou-se estar mais magro. Quando chegou ao Rio de Janeiro visivelmente acima do peso, os botafoguenses logo pensaram no jogador Escalada, que não demorou muito e pediu para sair ou foi mandado para fora de General Severiano?

Será que ele fará sucesso com a camisa da Estrela Solitária ou será mais um Pipa Estevez? Currículo o argentino tem, sendo o artilheiro da Segundona do Campeonato dos Hermanos, pelo Union de Santa Fé. (Confira abaixo o vídeo da fera!)


domingo, 27 de julho de 2008

Só faltou um gol...

Zé Carlos tenta a jogada no ataque
Foto: Lance

Torcedores do Glorioso,
Eu vi de tudo no clássico de hoje no Maracanã, aliás, tudo não, faltou o gol, mas não oportunidades. Ambos os times tentaram marcar o seu golzinho, Wellington Paulista, Diguinho, Carlos Alberto e Túlio, foram os que tentaram para o Botafogo. Pelo lado do Flamengo, Obina e Éder pararam em Renato Silva e Castillo, respectivamente. A soma de tudo isso não saiu do injusto 0 a 0.

Com certeza o torcedor cardíaco não resistiu ao clássico com maior rivalidade nos últimos tempos no Rio de Janeiro, emoções não faltaram. O técnico do Botafogo era Ney Franco, ex-treinador do Flamengo, que fez em 2007 o Botafogo de vítima na conquista do carioca. Antes do clássico, os jogadores do Fla foram abraçar o treinador do Bota.

Na primeira etapa o ataque era predominantemente rubro-negro, o Botafogo sofria nas investidas, principalmente de Obina. O "Anjo Negro" quase marcou no fim da primeira etapa após limpar Castillo e chutar para o gol, Renato Silva salvou o fogão. Ao Botafogo faltava algo mais, o maestro Lúcio Flávio foi barrado pelo técnico Ney Franco, Jorge Henrique entrou em seu lugar. Isso era exatamente o que faltava ao alvinegro, no intervalo Lúcio entrou para saída de Zé Carlos.

Aos corneteiros de Lúcio Flávio, restou baixar a cabeça e se render ao talento do craque, com o maestro em campo, o Bota começou a criar as jogadas e ter as melhores oportunidades. E afirmo, sem Lúcio Flávio, o fogão é um time completamente diferente, sem criação.

O atacante Wellington Paulista ficou mais um jogo sem marcar, mas acertou um bola na trave de Diego. O goleiro do Fla, aliás, salvou uma cabeçada de Jorge Henrique a queima roupa, antes disso, o camisa 7 alvinegro já havia perdido uma oportunidade quando Fábio Luciano salvou sobre a linha. O time do Flamengo caiu muito de produção no campeonato depois da venda de alguns atletas, e aquela história de "brasileiro é obrigação" já está ficando para trás, enquanto o Botafogo está num crescimento visível. No mais, o Botafogo deixou de somar mais dois pontos na tabela de classificação e encara o Goiás, na próxima rodada, no Engenhão.


FLAMENGO 0 x 0 BOTAFOGO

Cartões amarelos: Triguinho, Jorge Henrique (BOT); Obina, Cristian (FLA)Público: 35.915 pagantes.Renda: R$ 586.731,00 - Estádio: Maracanã. Data: 27/07/2008. Árbitro: Sálvio Spínola Fagundes Filho. Auxiliares: Ricardo Maurício de Almeida e Ediney Guerreiro Mascarenhas

Flamengo: Diego, Leo Moura, Fábio Luciano, Ronaldo Angelim e Juan; Jailton, Cristian, Jônatas (Kleberson) e Ibson; Maxi (Éder) e Obina (Paulo Sérgio). Técnico: Caio Júnior

Botafogo: Castillo, Alessandro, Renato Silva, André Luis e Triguinho; Túlio (Gil), Diguinho, Zé Carlos (Lucio Flavio) e Carlos Alberto; Jorge Henrique e Wellington Paulista. Técnico: Ney Franco.

PRECISA-SE DE ATACANTES

Ibson e Túlio vão atrás da bola sendo observado por Maxi Biancucchi
Foto: O Globo

Torcedores do Mais Querido do Brasil!

O Flamengo colocará amanhã na entrada da Gávea a placa de “precisa-se de atacantes”. No clássico contra o Botafogo, em um Maracanã repleto de rubro-negros e uma minoria de alvinegros, o time do Mengão perdeu um caminhão de gols. Obina, o xodó da torcida foi o que mais teve chances de marcar, mas desperdiçou todas as oportunidades levando à loucura a torcida que não teve piedade e o vaiou no segundo tempo após ele ser substituído por Paulo Sérgio. A seca dos atacantes é tamanha, que até o sumido Paulo Sérgio foi relacionado para a partida e entrou no fim. Éder entrou na vaga do "maratonista" Maxi Biancucchi, mas na única chance que teve, colocou a bola pela linha de fundo, após o goleiro Castillo deixar a meta.

Os laterais não estiveram tão exuberantes pela forte marcação, o meio-campo precisa de um homem de ligação e o Jaílton está merecendo ser barrado novamente.

O primeiro tempo foi totalmente dominado pelo Flamengo. Aos 13 minutos a primeira chance. Juan cruzou para a área, Fábio Luciano desviou de voleio e Ibson livre na área chutou fraco, facilitando a defesa do goleiro botafoguense. O Mengão envolvia o Botafogo com bela troca de passes, e o “baixolinha” Maxi era alvo de pontapés.

Aos 27, em mais uma boa trama, o Flamengo chegou com perigo. Maxi tocou para Obina na área, o Anjo Negro rolou de calcanhar para Ibson e o meio-campo finalizou de forma bisonha, nas mãos de Castillo.

No fim do primeiro tempo, Obina mostrou de forma parcial que vinha para decidir o jejum de um centroavante. Aos 47 minutos, o baiano recebeu belo passe de frente para o gol, driblou o goleiro uruguaio e finalizou de esquerda, mas Renato Silva tirou o gol com um carrinho salvador em cima da linha.

No intervalo, com a cobrança da pequena torcida do Botafogo, Ney “Fraco” colocou Lúcio Flávio, barrado para a entrada de Jorge Henrique no inicio do jogo. A equipe de General Severiano voltou com uma forma mais ofensiva e pressionou o Flamengo.

Aos 13 minutos, Jorge Henrique driblou o goleiro Diego dentro da área e chutou para o gol, mas Fábio Luciano interceptou e manteve o placar inalterado. Aos 14, o nosso “goleiro de futebol de botão” fez uma defesa espetacular na cabeçada à queima-roupa de Jorge Henrique.

O Flamengo só chegou na meta alvinegra aos 30 minutos. Kléberson que acabara de entrar cruzou da esquerda e Obina cabeceou com estilo para fora. Aos 34 minutos, após uma bola perdida no meio-campo por Ibson que prendeu demais, Wellington Paulista arriscou de fora da área e carimbou a trave.

Aos 42 minutos, a última chance do Flamengo com Juan na pequena área, mas a bola foi pela linha de fundo e a partida terminou 0 a 0.

Estamos aguardando a chegada de Felipe e de um atacante de nível. Vandinho não! Esse é mais um jogador de equipe pequena, já basta o Souza com sua banca de artilheiro do Campeonato Brasileiro de 2006.

Na próxima rodada, quarta-feira, o Flamengo vai até o Palestra Itália encarar o Palmeiras.


FLAMENGO 0 x 0 BOTAFOGO
Flamengo: Diego (6.5), Leo Moura (6.0), Fábio Luciano (6.5), Ronaldo Angelim (6.0) e Juan (7.0); Jailton (5.0), Cristian (5.5), Jônatas (5.5), (Kleberson - 6.0) e Ibson (5.5); Maxi (6.0) (Éder - 5.5) e Obina (5.5) (Paulo Sérgio - sem nota). Técnico: Caio Júnio (6.0)

Botafogo: Castillo, Alessandro, Renato Silva, André Luis e Triguinho; Túlio (Gil), Diguinho, Zé Carlos (Lucio Flavio) e Carlos Alberto; Jorge Henrique e Wellington Paulista. Técnico: Ney Franco

Cartões amarelos: Triguinho, Jorge Henrique (BOT); Obina, Cristian (FLA)
Público: 35.915 pagantes.
Renda: R$ 586.731,00
Estádio: Maracanã.

Data: 27/07/2008.
Árbitro: Sálvio Spínola Fagundes Filho.
Auxiliares: Ricardo Maurício de Almeida e Ediney Guerreiro Mascarenhas

DESESPERADOS


O Fluminense começa a perceber que a brincadeira no Brasileirão está se tornando complicada e séria. Com mais uma derrota sofrida para o Cruzeiro, de virada, em pleno Maracanã, sob vaias da torcida e com as primeiras pessoas pedindo a saída do técnico Renato Gaúcho, o Fluzão não consegue se livrar da zona de rebaixamento.

Renato Gaúcho insiste em por a campo o volante Ygor, que é uma espécie de pupilo do treinador tricolor, mas nas arquibancadas o ex-jogador vascaíno é tratado como chacota. Apesar de que para a posição o Flu não possui grandes jogadores, como por exemplo o “craque” Fabinho. Mauricio é um jogador que tem mais desenvoltura e poderia ser utilizado com mais freqüência na posição de primeiro volante ao lado do Arouca.

Enquanto os tricolores agüentam Ygor, Fabinho e Cia., o coordenador de futebol do clube pensa no volante titular da seleção brasileira Mineiro. O jogador está sem clube, pois rescindiu seu contrato com o Hertha Berlim, da Alemanha. De acordo com a diretoria, o Fluminense não medirá esforços para contar com o jogador. Seria a solução para ajudar na marcação da equipe? O que acham?

Enquanto isso, O Vasco sem dinheiro em caixa para trazer reforços vai sofrendo com o elenco que tem. Antonio Lopes poderá ser demitido a qualquer hora, ainda mais após a derrota vergonhosa na Vila Belmiro por 5 a 2 para o Santos. O time cruzmaltino está uma posição acima da zona de rebaixamento.

Parece também que a zaga do time da Colina não melhora. Byro e Edu, ambos da categoria de base do Vasco entraram na equipe titular em uma forma de melhorar o sistema defensivo, mas justamente os dois jogadores marcaram um pênalti cada um. Situação difícil para o Vascão, onde nem mesmo os jovens jogadores estão contribuindo.

O único ponto positivo no time foi a boa partida desempenhada pelo meio-campo Madson, que substituiu o suspenso Morais. Madson acabou sendo premiado com um gol. No mais, é fechar os olhos e rezar muito para esse time melhorar.

sábado, 26 de julho de 2008

COMEÇOU A SEGUNDONA, por Stefano Salles

Bonsucesso entrando em campo para o jogo contra o São Cristovão
Foto: André Queiroz (FC08)

Não foi dos melhores jogos tecnicamente, como já era de se imaginar. Mas, na primeira partida de dois dos clubes mais tradicionais do estado que, há anos amargam a Segunda Divisão, melhor para o São Cristóvão. A vitória por 2 a 0 marcou o bom início do clube na trajetória de volta à elite do futebol carioca. Os gols foram marcados por Marcos Paraíba, aos 22 minutos, e Wendel, aos 24. O clube alvo volta a campo quarta-feira, quando enfrentará o Brescia, fora de casa, no CT Romário Faria, em Xerém. O Bonsucesso folga na rodada.

O primeiro tempo começou morno, com as equipes trocando passes curtos. A falta de ritmo de jogo e o desentrosamento era visível em ambas as equipes. Muitos erros, chutões para o alto, e faltas para parar as jogadas davam a tônica do jogo. Somente aos 19 minutos, a primeira chance concreta de gol. E foi do Bonsucesso. Beto cobrou falta, mas a bola não levou perigo ao gol de Fernando.

Os visitantes comandavam as ações do jogo, mas não conseguiam traduzir o domínio em gols. E foram castigados por isso. Aos 22 minutos, Junior Maranhão cobrou falta da direita e, após bate-rebate dentro da área, a bola sobrou para o atacante Marcos Paraíba, que tocou para o fundo da rede. Era o primeiro gol do São Cristóvão na Segundona de 2008.

Os donos da casa aproveitaram o momento e, apenas dois minutos depois, marcaram o segundo gol, novamente numa jogada de bola parada. O mesmo Junior Maranhão, que iniciou a jogada do primeiro gol, bateu escanteio rasteiro, a bola passou por todos e sobrou para o zagueiro Wendel tocar para o gol: 2 a 0 para o São Cristóvão.

Quando o jogo parecia que iria melhorar, mas piorou. Sem objetividade, nenhuma das duas equipes chegava com perigo e eram mais comuns as bolas indo na direção das arquibancadas do que para o gol. A primeira etapa terminou sem mais emoções e o destaque ficou por conta do atraso da única viatura da Polícia Militar presente no local, que só chegou aos 45 minutos de jogo.

Segundo tempo morno: melhor para o São Cristóvão

Ao contrário de como terminou a primeira etapa, a segunda parecia que iria ser movimentada. Tanto que logo aos dois minutos, Moisés bateu falta para o time da casa, e a bola passou com perigo à direita do gol de Daniel. Doce ilusão... o nível técnico logo cairia novamente.

O Bonsucesso, que começara o segundo tempo com duas alterações (Diego e Vitor Hugo no lugar de Luciano e Beto, respectivamente), não conseguia levar perigo ao gol adversário. E o jogo seguiu monótono até os 20 minutos, quando Luiz Carlos, meia do São Cristóvão, fez boa jogada individual pela direita e chutou cruzado, assustando o goleiro Daniel. Aos 25, Diego, do Bonsucesso, levou amarelo por simular pênalti.

O segundo tempo continuou sendo dominado pelo São Cristóvão. As poucas jogadas de perigo eram todas do time da casa. Aos 26, Júnior Maranhão, destaque do jogo, chutou de longe, para fora. Seis minutos depois, foi a vez de Luiz Carlos bater falta com perigo, à direita de Daniel. A partir daí, nenhuma boa jogada e o jogo terminou mesmo com a vitória do time da casa por 2 a 0.

Outros resultados: Grupo A - Aperibeense 2x2 Goytacaz, Itaperuna 0x2 Rio Branco; Independente 0x1 Floresta. Grupo B - Ceres 2x1 Estácio, Nova Iguaçu 0x0 Miguel Couto. Grupo C - Portuguesa 1x0 Brescia. Grupo D - Guanabara 1x0 Teresópolis.

A partida

Estádio da Rua Figueira de Melo (Rio de Janeiro-RJ)

Árbitro: Wagner do Nascimento Magalhães
Assistentes: Lino de Paula Leite Neto e José Carlos Batista de Arruda

São Cristóvão: Fernando; Tiaguinho, China, Marcio Costa, Wendel (Anderson Luiz), Daniel Prestes (Diogo); Junior Maranhão, Daniel, Luiz Carlos e Moisés (Willian); Marcos Paraíba. Técnico: Gílson Paulino.

Bonsucesso: Daniel; Helder (Cássio), Fabiano, Marcílio, Victor Boleta; Jefinho, Beto (Vitor Hugo), Mario César, Flavio Santos; Mario e Luciano (Diego). Técnico: Ronald.

Gols: Marcos Paraíba (22/1º t) e Wendell (24/1°t) - São Cristóvão


Fonte: SRZD/FUTRIO - Stefano Salles



RESULTADOS E PRÓXIMOS JOGOS


O ÚLTIMO QUE SAIR APAGA A LUZ

Souza é vendido para o futebol grego
Foto: Globoesporte.com
Torcedores do Mais Querido do Brasil!

Mais um que se despede da Gávea. Para muitos a janela de transferência para o mercado europeu prejudica e muito os clubes brasilieros, mas a saída do atacante Souza é um reforço para grande parte da Nação e eu me incluo nessa lista. O Caveirão estava a sete jogos sem marcar um gol e era o jogador em quem mais se tinha esperança desde sua contratação para acabar com esse jejum de um matador. Desde o camisa 11, Romário, o Flamengo não teve um grande artilheiro. Obina no entanto, é a esperança da torcida rubro-negra e será titular na partida contra o Botafogo, amanhã, no Maracanã.

Cinco atletas (Renato Augusto, Marcinho, Souza, Vinicius Pacheco e Rodrigo Arroz) deixaram a equipe da Gávea no melhor momento do clube desde a criação do Campeonato Brasileiro com pontos corridos. Os últimos dois saíram por não terem chances na equipe titular. Mas não é bem aí onde quero chegar. Somando todas as negociações envolvendo Marcinho, Renato Augusto e Souza ultrapassam a marca de 20 milhões de reais. Mas até agora, quantos chegaram para suprir a ausência desses jogadores? Nenhum!

Há muitas especulações na Gávea, porém nada de concreto até agora. Para o ataque já falam em Vandinho, vice-artilheiro do Brasil na temporada, Leandro, jogador do Verdy Tokio, e Deivid, do Fenerbahçe, mas será que todo dinheiro arrecadado será investido em contratações e melhorias em benefício do clube? Nenhuma contratação é fácil para se bater o martelo, mas a cada rodada o Mengão vai caindo de produção e em um campeonato tão equilibrado, pontos preciosos não podem ser desperdiçados. Felipe é o mais próximo dentre os nomes citados, a imprensa e até mesmo Caio Júnior já falam como se ele tivesse sido contratado, todavia duvido muito que o Al-Saad irá liberar o Maestro sem uma compensação financeira, assim como o Flamengo pensa.

Temos que cobrar da diretoria reforços que venham para ajudar a conquistarmos nosso maior objetivo para o restante da temporada, não podemos ficar só no quase ou nas especulações. Esse ano já perdemos a Libertadores por um descuido, ganhamos o Campeonato Carioca, muito pouco para um clube da grandeza do Flamengo, e a cada rodada do Brasileirão, o time que encanta a Nação cai de rendimento, perde a liderança isolada com folga, perde jogadores, mas mantém uma calma difícil de acreditar. Vamos abrir o olho, o que temos de melhor nessa equipe é o conjunto, entretanto com esses desfalques poderemos completar mais um ano com apenas mais um estadual.

Quadro com as principais transferências do Brasil para o exterior - Foto: Lance!
Clique para ampliar

-----------------------------------------
PARTE II
VAGNER LOVE VAI PARA O FLAMENGO


Sai Souza, chega Vagner Love. De acordo com informações da Rádio Globo, o atacante do CSKA Moscou e da seleção brasileira, Vagner Love, foi emprestado ao Flamengo por um ano. Caso a notícia seja confirmada pelo clube será uma grande contratação. O time inglês Everthon também está atrás do atacante.

Melhor do que o Souza ele é com certeza. O artilheiro das trancinhas sempre sonhou em jogar pelo seu clube de coração e tem agora a grande chance: "Eu sou flamenguista desde pequenininho, quer dizer hoje sou CSKA, mas eu tenho muita vontade de jogar no Flamengo um dia", disse o extrovertido jogador ao jornal O Dia, em 2007.

Nome completo: Vágner Silva de Souza
Data de nascimento: 11 de Junho de 1984 (24 anos)
Local de nascimento: Rio de Janeiro

Altura: 1,72 m
Peso: 71 Kg
Clubes:

2002-2004 - Palmeiras (66 partidas, 49 gols)
2004-2008 - CSKA (67 partidas, 30 gols)
Seleção brasileira ( 20 partidas, 8 gols)

quinta-feira, 24 de julho de 2008

VAI E VEM DO MERCADO DA BOLA

A equipe do Vasco não é aquela esperada pela torcida cruzmaltina, mas poderá perder mais jogadores do que ganhar novos reforços. O veterano Odvan foi especulado na Colina, mas até então nem uma conversa foi tida com o zagueiro. O pentacampeão Roque Júnior é outro que estaria na mira do Vascão, mas o alto salário exigido (150 mil reias) pelo jogador e o tempo de inatividade inviabilizaram a contratação. Dentre as condições financeiras do clube, o nome do zagueiro Preto, do Atlético-MG, está sendo o mais citado para vestir a camisa do Machão da Gama.

O técnico Antônio Lopes também está na corda bamba e pronto para cair a qualquer instante. É ventilado o nome de Paulo César Gusmão para assumir o cargo.

Enquanto nenhum jogador chega a São Januário, principalmente para a contenção, a debandada já parece óbvia. Dois jovens jogadores se despediram: Philippe Coutinho das categorias de base e tido como a grande revelação nos últimos tempos e o lateral-esquerdo Pablo. Outros que podem sair são Rodrigo Antônio, Mateus e Souza que despertaram interesse de clubes da Europa. Alex Teixeira é outro que pode estar se despedindo já que o Zaragoza, da Espanha está de olho no meia-atacante.

A dívida herdada por Eurico Miranda é absurda, e faz com que o Vasco perca peças importantes para quitar tamanho débito.


Enquanto o Fluminense perde Gabriel e Cicero para o futebol europeu e Thiago Neves e Thiago Silva para a seleção olímpica, o número de jogadores ventilados para reforçarem a equipe das Laranjeiras chega aos montes. Renato Gaúcho poderia montar uns quatro times tranquilo.

Nomes fortes para reforçar a equipe tricolor são: Éverton Santos, ex-Corinthians, e que está no Paris Saint German, que garante estar muito próximo de um acerto. De acordo com jornais franceses, ele já é jogador do Flu. Os dirigentes do Fluzão também viajaram para Argentina, com o intuito de fechar contrato com Castromán, do Boca Juniors. Rafael não vem agradando ao técnico e a exigente torcida do Flu e nomes como Jancarlos e Paulo César são especulados para reforçar a lateral. O meio-campo Fabrício é outro na mira do coordenador de futebol Branco. E para o ataque, o Fluminense com o auxílio da patrocinadora promete investir pesado para trazer um grande jogador. Cléber Santana, do Atlético de Madrid e Rafael Sobis, do Betis são os favoritos.

O Flamengo após a venda de Renato Augusto e Marcinho vem trabalhando por trás das câmeras. Renato Abreu ainda é aguardado com ansiedade na Gávea e Felipe viajará para o Qatar, onde se encontrará pessoalmente com o dono do Al-Saad e pedirá a liberação para defender as cores do rubro-negro. Leandro, atualemente no Verdy Tokio do Japão é outro na mira do vice-presidente de futebol do Flamengo, Kléber Leite.


Outros jogadores podem sair, como no caso do atacante Souza que vem sendo duramente criticado pela torcida (não é para menos, são 7 jogos sem marcar um gol sequer). O Panatinaikos, da Grécia, que já contratou os brasileiros Gabriel, do Fluminense e Gilberto Silva, do Arsenal, quer levar agora o "Caveirão" da Gávea. Muitos torcedores já deram graças a Deus pela proposta oferecida pelo time grego, outros já lamentam a saída do centroavante brigador. De acoro com o Lancenet!, o valor ofertado é de 6,5 milhões de reais, o que facilitaria a negociação com um jogador melhor do que Souza na opinião da Nação. O prata-da-casa Erick Flores foi sondado por um clube europeu, mas dificilmente sairá da Gávea.

O Fogão após contratar os atacante Gil, que já estreou e marcou um lindo gol na última partida contra o Atlético-MG, ontem, e o argentino Zárate, ainda está a trás de um lateral. Como adiantamos, o lateral Netinho, que atuou pelo Atlético Paranaense é o favorito para a posição.

Enquanto a saída de jogadores, o Alvinegro continua firme as investidas dos clubes do Oriente Medio e da Europa. Os últimos a serem cogitados a sair do Botafogo formam a dupla titular do ataque alvinegro: Wellington Paulista e Jorge Henrique. Zé Carlos também foi sondado pelo Atlético-MG. Marcos Leandro, goleiro reserva, e o zagueiro Ferrero são os únicos a deixarem General Severiano por vontade própria. O goleiro retornou ao Paraná, já o argentino não tem destino certo.

Prato do dia: Canja de galinha

Caldeirão do fogão: A cada jogo um novo prato
Foto: Divulgação / Engenhão

Torcedores do Glorioso,

Antes de mais nada gostaria de deixar minha insatisfação com os organizadores da tabela do campeonato brasileiro. Ontem jogaram Fluminense, Vasco e Botafogo no mesmo horário e a volta pra casa foi tensa com ameaça de confrontos entre as torcidas. E sabe a causa de tudo isso? O dinheiro da televisão detentora dos direitos de transmissão. O certo no futebol brasileiro é o errado, o torcedor que paga o ingresso para ver os jogos, acaba sempre levando a pior, aí depois ainda querem estádio cheio. Poderiam colocar o jogo do Botafogo um pouco mais cedo, ou então para hoje. E onde já se viu clássico em plena quarta-feira? Clássico é pra domingo no Maracanã, mas fiquem tranquilos pois o dinheiro no bolso de quem comanda, está garantido.

Agora vamos ao jogo do Botafogo que é o que interessa.

O fogão tentava manter a hegemonia sobre o galo, são sete anos sem perder uma partida sequer, e essa marca permaneceu após os 4 a 0 de ontem. Lúcio Flávio, Triguinho, Carlos Alberto e Gil marcaram para o Bota.

O primeiro gol foi relâmpago, aos 22 segundos o Botafogo teve um pênalti a seu favor, o pênalti mais rápido da história do brasileirão. Lúcio Flávio converteu e manteve a incrível marca de 100% das penalidades convertidas. Botafogo 1 a 0.

O Glorioso seguia melhor no jogo e o Atlético Mineiro contentava-se em apenas se defender esperando a investida do fogão. O Bota não conseguiu marcar e o torcedor ficou com aquele gostinho de quero mais. O segundo tempo estava por vir, a etapa aonde o Bota ia mostrar seu melhor futebol. Seria a mão de Ney Franco? Visto que nas primeiras rodadas o Botafogo sempre relaxava no segundo tempo.

Outros fatores importantes no segundo tempo, foram o banco do Botafogo que correspondeu com gol (Gil) e Carlos Alberto, não só pelo gol, mas o camisa 19 do Bota trocou o uniforme no intervalo, ele passou a usar a camisa com o modelo passado, quando os números ainda eram brancos. Se a moda pega, o fogão poderia passar a usar a camisa do título de 1995, quem sabe?, por uma vitória tudo vale, ou como diria o Gil: -"Só não vale dar o...".

O Bota marcou o segundo com Triguinho. Após cruzamento, a defesa do galo cortou para trás e o camisa 6 do alvinegro teve tranquilidade para matar no peito e chutar de pé direito. Botafogo 2 a 0.

Faltava ainda o gol do cada vez mais supersticioso, Carlos Alberto. Após lançamento em direção a área do Atlético, o goleiro saiu jogando errado, Carlos Alberto brigou pela bola, levou sorte no segundo momento e saiu de cara com Édson, ele ainda tinha a opção de passe para Wellington Paulista, mas ele preferiu driblar o goleiro e finalizar. Botafogo 3 a 0.

Vocês acham que já é o bastante e pode terminar o jogo? Até pode, mas antes tem o gol do Gil, o primeiro dele com a camisa do Botafogo. E foi um golaço, um toque por cima de Édson para fechar a conta. Agora sim, pode encerrar. O próximo prato é exótico, urubu, às 18h10 no Maracanã.

BOTAFOGO 4 X 0 ATLÉTICO MINEIRO

Estádio: Engenhão, Rio de Janeiro (RJ)
Data/hora: 23/7/2008 - 21h50h (de Brasília)
Árbitro: Leonardo Gaciba da Silva (Fifa-SP)
Auxiliares: Marcelo Bertanha Barison (RS) e José Antônio Chaves Franco Filho (RS)Renda/público: R$ 92.772,50 / 9.581 pagantes
Cartões amarelos: Triguinho, Thiaguinho e Túlio (BOT); César Prates, Gedeon, Francis e Márcio Araújo, Serginho e Calisto (ATL)
Cartões vermelhos: César Prates, 14'/2ºT e Yuri, 35´/2ºT (ATL)
GOLS: Lucio Flavio, 1'/1ºT (1-0); Triguinho, 23'/2ºT (2-0); Carlos Alberto, 42´/2ºT (3-0) e Gil, 44´/2ºT (4-0)

BOTAFOGO: Castillo, Renato Silva, Andre Luis e Triguinho; Thiaguinho (Jorge Henrique, intervalo), Túlio, Diguinho, Lucio Flavio (Leandro Guerreiro, 18´/2ºT) e Zé Carlos (Gil, intervalo); Carlos Alberto e Wellington Paulista - Técnico: Ney Franco.

ATLÉTICO MINEIRO: Édson, Mariano, Vinícius, Marcos e César Prates; Francis (Yuri, 12´/2ºT), Serginho, Gedeon, Márcio Araújo e Renan Oliveira (Marques, 5´/2ºT); Eduardo (Calisto, 16´/2ºT) - Técnico: Alexandre Gallo.

VIDEOBLOG - A camisa trocada de Carlos Alberto


EMPATE COM GOSTO DE DERROTA

Torcedores do Mais Querido do Brasil!

O Flamengo conquistou um empate em 2 a 2, com gosto de derrota, na parida válida pela 14ª rodada do Campeonato Brasileiro, diante da Portuguesa. Um jogo confuso com muitos erros por parte da arbitragem acabou não prejudicando nem um lado nem o outro a meu ver. O Mengo mais uma vez perdeu o jogo para si mesmo, nos erros infantis de seus jogadores.

O Flamengo entrou no campo adversário se sentindo em casa, pois a torcida rubro-negra compareceu em grande escala, superando a torcida da Lusa que consegue colocar apenas 4 mil pessoas em média no Canindé. A equipe comandada pelo estreante Waldir Espinosa começou a partida com um esquema de três atacantes assim como o Flamengo com Éder, Diego Tardelli e Souza. Se o Diego Tardelli não tivesse desperdiçado uma grande chance no segundo tempo e se não tivesse sido expulso infantilmente colocando a mão na bola, eu o absolviria. Esse tal de Éder, foi a primeira partida que ele entrou como titular e não agradou nem um pouco. Souza é o mesmo. Parece um triatleta: pedala, corre e nada. E para deixar registrado aqui, mais uma partida que o “Caveirão” disputa e passa em branco.

A equipe do Mengão começou errando muitos passes simples, o meio-campo continua sem padrão de jogo algum, apenas Ibson tentava alguma coisa, mas a forte marcação impedia. Quem chegou primeiro foi a Portuguesa com um chute a queima roupa de Washington que Bruno salvou. O Flamengo respondeu aos sete minutos com Souza que desperdiçou uma chance clara (única dele na partida) e aos 14 minutos com um chute de primeira de Juan que assustou o veterano goleiro Sérgio.

Aos 34 minutos o placar saiu do 0 a 0. Escanteio para o rubro-negro carioca, Juan levantou a bola na área, Jailton desviou e Ronaldo Angelim de mão colocou a bola no fundo das redes. Temos que destacar que o zagueiro do Flamengo estava sendo puxado dentro da área, portanto deveria ser marcado pênalti na jogada, mas o que valeu foi o gol.

Não deu nem tempo de comemorar, pois Fábio Luciano cometeu pênalti em Bruno Recife aos 36 minutos. O jovem Diogo foi para a cobrança. Com a famosa “paradinha”, Bruno já caído defendeu, mas o assistente mandou voltar alegando que o goleiro se adiantou. Marcação errada, que prejudicou o Mais Querido do Brasil, pois Diogo cobrou novamente e converteu.

Aos 42 minutos, o Flamengo foi guerreiro e marcou o segundo gol. Juan invertido no campo cruzou da direita, Diego Tardelli desviou a bola sem intenção com a mão e Ibson chutou firme. Fla 2 a 1.

No segundo tempo, a Portuguesa marcou o gol de empate em mais um pênalti infantil cometido por Jailton dessa vez. Diogo não titubeou e marcou. Fla 2 a 2.

A Portuguesa cresceu na partida e pressionava, mas o Flamengo predestinado a conquistar os três pontos fora de casa decidiu partir pra cima e no momento que Caio Júnior optaria pela entrada de Obina e Jonatas, Diego Tardelli era expulso. O argentino Maxi entrou na equipe faltando pouco mais de dez minutos para o fim da partida e deu mais movimentação pelo lado direito. E aos 42 minutos, após linda jogada de Juan pela linha de fundo, Gavilan, ex-Flamengo, cometeu pênalti. Era a chance de garantir a primeira colocação na tabela e chegar com moral para o clássico diante do Botafogo, domingo.

Ibson ajeitou a bola com carinho, preparou o chute e cobrou em cima do goleiro Sérgio que se adiantou. O árbitro mandou voltar à cobrança. Novamente o camisa 7 caprichou, bateu no lado esquerdo e Sérgio defendeu após se adiantar novamente. Essa o juiz não mandou voltar e Ibson ficou desolado com a chance perdida. Dos últimos nove pontos disputados, o Flamengo conquistou apenas um, situação complicada para quem quer ser hexacampeão brasileiro. Por sorte São Paulo e Cruzeiro perderam, mas o Vitória encostou e o Grêmio poderá ser o novo líder se vencer o Figueirense, hoje, no Orlando Scarpelli.

PORTUGUESA 2 X 2 FLAMENGO
Local: Canindé, São Paulo (SP)
Data/hora: 23/7/2008 - 21h45 (de Brasília)
Árbitro: Evandro Rogério Roman (Fifa/PR)
Auxiliares: Roberto Braatz (PR) e José Amilton Pontarolo (PR)
Cartões amarelos: Gavilán, Sérgio, Preto (POR); Diego Tardelli, Fábio Luciano, Bruno, Juan (FLA)
Cartões vermelhos: Diego Tardelli (19'/2ºT)

PORTUGUESA: Sérgio; Patrício (Wilton Goaino), Bruno Rodrigo, Ediglê e Bruno Recife; Gavilán, Preto e Edno; Diogo, Jonas e Washington (Vaguinho). Técnico: Valdir Espinosa.

FLAMENGO: Bruno (8.0), Jailton (5.5), Fábio Luciano (5.5) e Ronaldo Angelim (6.0); Léo Moura (6.0), Cristian (6.0), Ibson (6.5) e Juan (7.0); Éder (4.0), (Maxi – 5.5), Diego Tardelli (5.0) e Souza (3.5), (Obina – 4.0). Técnico: Caio Júnior (5.0)


VIDEOBLOG - VEJAM OS GOLS

Existirá Flu sem os Thiagos???

Morais luta com Rafael pela posse da bola
Foto: Globoesporte.com


Caros amigos tricolores,

O Fluminense entrou em campo hoje para enfrentar o Vasco, pela décima-quarta rodada do Campeonato Brasileiro 2008. Depois de vencer o Figueirense (que diga-se de passagem, veio ao jogo só para se defender) por 1 a 0 no último sábado, com gol de Thiago Neves já no fim do jogo, o Tricolor das Laranjeiras empatou em 3 a 3 com o Gigante da Colina, em um clássico eletrizante.

O Tricolor conseguiiu chegar ao empate, depois de estar perdendo por 3 a 1 até os 29 minutos do segundo tempo, quando conseguiu o empate com a revelação de Xerém Tartá, depois de grande jogada do Somaliano. Washington, o "Coração Valente" tricolor foi o autor dos outros dois gols do Flu, sendo um de pênalti, que pode servir para acabar com a falta de sorte do time, que já perdeu sete cobranças em 2008, sendo três na final da Libertadores.

Mas acho, tricolores, que o que menos importou nesse jogo foi o resultado. Digo o motivo: foi o primeiro jogo, de talvez nove, que o Flu não poderá contar com os seus dois principais jogadores: os Thiagos, Silva e Neves. Pelo que foi visto hoje, os dois com certeza farão falta. Mais farão muita falta mesmo. O zagueiro hoje foi substituído pelo herói Roger. O experiente zagueiro já mostrou do que é capaz, mas penso que jogando ao lado de Luiz Alberto, não rende jogando ao lado do melhro zagueiro do Brasil. O Capitão tricolor atua melhor quando joga na quarta zaga, ao invés de zagueiro central. Mas acho que com os treinamentos, esse problema deixará de existir.

Mas a minha grande preocupação é no meio-campo tricolor. Sem o camisa 10, o Fluminense jogou hoje com o volante Maurício, com o argentino Conca herdando a camisa 10 e sendo o responsável sozinho pela armação das jogadas. Pelo que foi visto hoje, Renato Gaúcho terá dificuldades para encontrar um substituto, visto que o volante naõ jogou absolutamente nada. O técnico tricolor, no intervalo, o substituiu por Tartá. O jovem meia-atacante entrou ligado no jogo, criando boas jogadas pela esquerda e marcando o gol de empate. Renato já disse que não quer queimar o jogador, o colocando como o substituto, ainda, do craque do time. Mas eu vos digo: quem ele irá colocar? Ygor?? David?? Nada contra esses jogadores, mas eles já tiveram as suas chances e não aproveitaram. Das duas uma: ou ele arrisca com o Tartá, ou Flu deverá achar no mercado um camisa 10 "perdido" por aí. Indicaria no momento o 10 da Ponte Preta, Renato. Ou talvez, Portaluppi esteja aguardando um milagre de "Roque Santeiro", e Thiago Neves retorne ao Flu depois dos Jogos Olímpicos, o que será muito difícil.


FICHA TÉCNICA:VASCO 3 X 3 FLUMINENSE

Estádio: Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
Data/hora: 23/7/2008 - 21h50 (de Brasília)
Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (Fifa-RJ)
Auxiliares: Wagner de Almeida Santos (RJ) e Ricardo Maurício Ferreira de Almeida (RJ)
Renda/Público: R$ 299.820,50 / 19.346 pagantes
Cartões amarelos: Junior Cesar, Washington, Conca (FLU); Eduardo Luiz, Souza, Morais (VAS)
Cartão vermelho: Morais, 38'2ºTGols: Edmundo, 18'/1ºT (1-0); Leandro Amaral, 7'/2ºT (2-0); Washington, 8'/2ºT (2-1); Edmundo, 13'/2ºT (3-1); Washington, 29'/2ºT (3-2); Tartá, 36'/2ºT (3-3);

VASCO: Tiago, Wagner Diniz, Luizão, Eduardo Luiz e Edu (Marcus Vinicius, 12'/2ºT); Rodrigo Antônio, Souza, Madson (Leandro Bomfim, 39'/2ºT) e Morais, Leandro Amaral e Edmundo (Jean, 34'/2ºT). Técnico: Antônio Lopes.

FLUMINENSE: Ricardo Berna, Rafael (Somália, 26'/2ºT), Roger, Luiz Alberto e Junior Cesar; Fabinho, Maurício (Tartá, intervalo), Arouca e Conca; Dodô e Washington. Técnico: Renato Gaúcho.

quarta-feira, 23 de julho de 2008

FELIPE, O 10 DA GÁVEA & ATHIRSON PRÓXIMO

Felipe está acertado com o Flamengo
Montagem: Renan de Moura (FC08)


Torcedores do Mais Querido do Brasil!

O Jornal Vencer já dá como certa a negociação entre Flamengo e o jogador Felipe, do Al-Saad. O Maestro esteve nesta segunda-feira em reunião com os representantes do clube que se propuseram a vir a São Paulo para acertar a sua liberação. Felipe explicou ao assessor do dono do clube asiático a sua vontade de retornar ao Brasil e jogar no rubro-negro carioca.

Segundo o jornal e de acordo com uma fonte ligada ao atleta, Felipe descartou qualquer clube do país, dando prioridade máxima ao Flamengo. Kleber Leite não confirma nada até agora para não atrapalhar as negociações entre as partes, mas também não esconde a ansiedade de contar com o melhor jogador do campeonato do Qatar.

A decisão final deve sair até a próxima semana, mas o xeque pode pedir para que o meia se apresente ao Al-Saad e explique o seu desejo pessoalmente a ele.

Felipe quer jogar em um time campeão que brigará por títulos. Sua chegada será vital para o elenco que necessita urgentemente de um homem habilidoso e que distribua bem as jogadas, municiando os atacantes. Torcida rubro-negra vamos deixar esse rancor que alguns de vocês tem a respeito do Felipe. Ele é torcedor do Flamengo desde criancinha e aquele último jogo com a camisa do Mengão foi apenas um mal entendido. Felipe é 10, Felipe é camisa 10 da Flaleção!!!

Outro que está chegando é Renato Abreu e deve ser anunciado a qualquer instante na Gávea. Com o “homem-bomba”, o Flamengo fecharia o ciclo de contratações caso nenhum outro jogador saia do elenco, porém a chegada de um atacante ainda não é descartado.

-------------------------------------------------


PARTE II

Flamengo corre atrás de Athirson para compor elenco - Foto: O Globo

Circula a informação pela comunidade oficial do Flamengo, no site de relacionamentos Orkut de que segundo o programa "Esporte Show", da Tv Brasília/Alterosa, o Flamengo deseja contar com o lateral Athirson para compor o elenco na temporada. De acordo com presidente (Luiz Estevão) do Brasiliense, atual clube do jogador, a sondagem por Athirson é verdadeira: “Ele é um grande atleta, sempre soubemos que quando estivesse recuperado seria difícil segurá-lo, mas vamos tentar de todas as formas”, encerrou o dirigente candango.

Athirson foi contratado pelo Jacaré em maio desse ano. Ele já atuou por grandes clubes do futebol internacional como o Bayer Leverkusen, CSKA-RUS e a Juventus-ITA, teve passagens pelo Cruzeiro e no ano passado atuou com a camisa do Botafogo entre agosto a outubro. Jogou também 18 vezes vestindo a camisa da seleção brasileira. Experiência ele tem de sobra para ajudar o Flamengo a buscar o hexacampeonato.

O lateral-esquerdo estava lesionado, mas retornou a equipe do Brasiliense em melhor estilo marcando um gol na partida de ontem, contra o Criciúma, pelo Campeonato Brasileiro da Série B. Essa foi a segunda partida pelo campeonato nacional disputada pelo jogador, deixando aberto a transfêrencia para qualquer clube ainda.

Athirson sempre foi grato ao Flamengo e nunca escondeu sua paixão pelo time que o revelou. Seu maior desejo é encerrar a carreira vestindo o Manto Sagrado.

Será que ele vem? Você gostaria? Comente!

terça-feira, 22 de julho de 2008

EM BUSCA DE REFORÇOS

Fluminense e Flamengo vão em busca de reforços
Foto: Gabriel Reis / Montagem: Renan de Moura


Fluminense e Flamengo estão em busca de reforços para o Campeonato Brasileiro. A corrida em busca de jogadores há altura dos clubes é imensa. Parece a Guerra Fria com muitas especulações e nada de concreto. De concreto mesmo só há as saídas de Cícero e Gabriel pelo lado do Tricolor e Marcinho e Renato Augusto pelo lado rubro-negro. Thiago Silva é outro que pode ter se despedido do time das Laranjeiras. De acordo com o site “Calcio Mercato”, a Inter de Milão está praticamente acertada com o zagueiro. Já o empresário do atleta se nega a confirmar o acordo entre as partes e afirma que Thiago Silva ficará no Fluminense até dezembro.

Enquanto isso, o coordenador de futebol do Tricolor, Branco, viajará para a Europa essa semana para tentar viabilizar a contratação de pelo menos um jogador. E na pauta está o apoiador William, ex-Corinthians, que está atualmente no Shakhtar Donetsk, da Ucrânia. O jogador não vem sendo aproveitado pelo time ucraniano e espera a liberação para poder retornar ao Brasil. O meio-campo de 20 anos saiu do país muito badalado e pela cifra de 30 milhões de reais.

William acertaria com o Fluzão por um ano. Para facilitar a negociação, o pai do jogador viajará ao lado de Branco para convencer a equipe européia.

Outra solução para o ataque Tricolor é a chegada de Lucas Castromán, reserva de luxo de Palermo, no Boca Juniors. O jogador foi oferecido e tem fortes indícios de que fechará contrato com o Fluminense, até porque o passe pertence ao próprio Castromán. O Boca ainda se beneficiaria da transferência recebendo uma pequena porcentagem da transação. O Flusão também está de olho no jovem Dátolo e pode ser uma das boas surpresas para a torcida.

Já o Flamengo, após duas derrotas consecutivas no Campeonato Brasileiro corre desesperadamente em busca de reforços. Daniel Carvalho que foi tido como novo reforço, já foi descartado e está bem próximo de acertar com o Internacional-RS. Renato Abreu, o “homem-bomba” da Gávea deve ser o primeiro contratado. Segundo o site FlamenGol, houve uma reunião entre o jogador, seu empresário, o técnico Caio Júnior e o vice de futebol, Kleber Leite que deixaram praticamente tudo acertado. O Mengão deve anunciar a contratação de Renato até a próxima semana.

Felipe é outro que interessa ao Flamengo e está tentando a liberação do Al-Saad para negociar e fechar contrato com o Mais Querido do Brasil. As bases salariais já estão ajustadas pela realidade que vivem os clubes brasileiros e o Maestro já acatou. O Fluminense tenta por lenha na fogueira na negociação e admite aumentar a proposta do rubro-negro pelo meio-campo. Também com um auxílio da Unimed tudo fica fácil.

Veremos essa semana, quem sabe, o desfecho de algumas dessas novelas.

segunda-feira, 21 de julho de 2008

E o vento (não) levou (ainda)


Corações Cruzmaltinos, pena que o vento não levou o Antônio Lopes, me pergunto se esse senhor consegue se olhar no espelho, olhar dentro dos seus olhos, afinal como ele consegue fazer tanto mal, fazer essa maldade com tantas pessoas apaixonadas pelo Vasco. Ele brinca de ser treinador, ele brincar de torturar uma nação, pelo amor de Deus, por que ele não pede demissão, e mais, por que não manda esse infeliz embora, ele é um técnico frouxo, não sabe escalar, joga sempre no mesmo esquema tático, não entende nada de futebol, ele é um vergonha para o torcedor.

Não pude acompanhar Atlético Paranaense 3 x 1 Vasco, pois estava no Maracanã acompanhando o jogo do Flamengo (sou réporter da Rádio Tropical AM 830). Mas na quinta estive no empate contra o Goias e digo, o Vasco tomou um banho na questão tática. Hélio dos Anjos, colocou um 3 - 5 - 2 moderno, ofensivo o clube jogava para frente, dominava todos os setores do campo, e o Vasco com um time perdido, desencontrado sem esquema, sem planejamento tatico, eram um aglomerado dentro do campo.

Dizem os sábios que treinador não ganha jogo, mas no Vasco treinador perder, querendo inventar com Abubakar é demais para mim. Olha, temo pelo futuro, Vasco da Gama muito possivelmente disputara a série B do ano que vem se algum furacão não levar Antônio Lopes para bem longe da Colina.

domingo, 20 de julho de 2008

ABRE O OLHO FLAMENGO



Torcedores do Mais Querido do Brasil!

O Flamengo perdeu a segunda partida seguida no Campeonato Brasileiro. A diferença que já foi de seis pontos para o segundo colocado, hoje não passa de um ponto. A derrota para o Vitória no Maracanã com o Maior do Mundo lotado (mais de 44 mil pessoas) foi decepcionante. Depois da saída do meio-campo Marcinho, a permanência de Caio Júnior e a mudança do Manto Sagrado, nada tem dado certo.

O ataque perdeu a pontaria certeira, até mesmo o xodó Obina anda descalibrado. Em um lance no segundo tempo, o atacante chutou a bola pela linha lateral. Éder que sempre se destaca nos treinamentos, marcando seus gols, não foi o mesmo contra os baianos. Erick Flores está sendo sacrificado pela falta de um meio-campo armador experiente que dite o ritmo do time. A ausência de Juan foi sentida. Egídio bem que tentou, mas não conseguiu repitir a atuação do companheiro de posição. Jaílton teve uma atuação segura. Jonatas esqueceu seu futebol na Espanha e não vem mantendo a regularidade. Souza, sem palavras, não há nenhuma equipe que queira esse jogador!?

Caio Júnior bem que tentou melhorar a equipe no segundo tempo, Bruno saiu de campo chorando depois de um choque com Ricardinho na última jogada do jogo. Parece que uma "urucubaca" está rondando a Gávea.

Vamos ser confiantes pelo menos. Temos um jogo importante contra a Portuguesa, na quarta-feira, no Canindé. Não podemos desanimar.

Dois detalhes na partida devem ser registrados:

1º: Fábio Luciano ao fim da partida não sabia que o jogo contra a Portuguesa será no meio da semana e afirmou por duas vezes aos repórteres de campo que o confronto será no domingo.

2º: A desculpa de Caio Júnior para tirar Cristian do jogo foi alegar que ele estava pendurado com o segundo cartão amarelo. Informação falsa divulgada pelo treinador da equipe.

Abre o olho pessoal!!!

Derrotado com honra

Wellington tenta a jogada
foto: Globoesporte.com

Torcedores do Glorioso,

O Botafogo perdeu, mas eu não fiquei triste com o resultado, tive a oportunidade de assistir a essa partida e vi novamente uma boa atuação do fogão, principalmente na segunda etapa onde o time chegou a dominar a partida e conseguir grandes oportunidades de marcar. O placar final ficou, ao meu ver, injusto, poderia pelo menos sair com um empate.

O jogo começou e o São Paulo tomava a iniciativa, nos primeiros minutos o lateral Triguinho já havia salvado em cima da linha tocando de cabeça para escanteio, pouco depois Dagoberto acertou o travessão de Castillo que ficou parado. Quando o Bota começou a equilibrar o jogo, foi surpreendido por uma falha da defesa que deixou Cazumba de cara com Castillo, ao tentar o drible, ele foi derrubado pelo uruguaio, pênalti. Rogério Ceni cobrou e abriu a conta para o São Paulo.

A segunda etapa começou e junto com ela a boa atuação do Botafogo, Zé Carlos tratou de ir logo chutando contra o gol de Rogério Ceni, a bola foi por cima. Aos cinco minutos foi a vez de Lúcio Flávio que deu um corte seco em André Dias e deu um toquinho de maestro por cima do goleiro, Alex Silva salvou sobre a linha a pintura do maestro.

O alvinegro seguia tentando mas parava na defesa do único pentacampeão brasileiro. Para resolver, Ney Franco teve que trazer um jogador do banco, logo ele, Carlos Alberto que saiu do São Paulo no ínicio do ano, chutou de fora da área, a bola desviou em Alex Silva e tirou as chances de defesa de Rogério Ceni, empate justo no Morumbi. 1 a 1.

E quando tudo se encaminhava para o empate, o glorioso levou mais um, a defesa deu bobeira ao tentar a linha de impedimento e Jorge Wágner cruzou para Dagoberto concluir de cabeça. São Paulo 2 a 1 e final de jogo no Morumbi.

SÃO PAULO 2 x 1 BOTAFOGO
Gols - Rogério Ceni (pênalti), aos 34 minutos do primeiro tempo. Carlos Alberto, aos 32, e Dagoberto, aos 43 minutos do segundo tempo.
Cartões amarelos - André Dias (São Paulo); Castillo (Botafogo).
Árbitro - Leandro Pedro Vuaden (RS).
Renda e público - Não disponíveis.
Local - Estádio Morumbi, em São Paulo (SP).

São Paulo - Rogério Ceni; Eder, Alex Silva, André Dias e Alex Cazumba (Juninho); Zé Luís, Hernanes, Hugo e Jorge Wagner; Eder Luís (Aloísio) e Dagoberto (Jean). Técnico: Muricy Ramalho.
Botafogo - Castillo; Triguinho, Renato Silva, André Luís e Tiaguinho; Túlio (Carlos Alberto), Diguinho, Lúcio Flávio (Gil) e Zé Carlos (Lucas Silva); Jorge Henrique e Wellington Paulista. Técnico: Ney Franco.

sexta-feira, 18 de julho de 2008

DINHEIRO NA MÃO É VENDAVAL

Montagem: Renan de Moura (FC08)

O Flamengo merecia no mínimo um empate dinate do Coritiba, ontem, no Couto Pereira, mas nem sempre venceremos. A diferença diminuiu para o segundo colocado (2 pontos), porém o Vitória pagará o pato no próximo domingo, no Maracanã.

O que ficou claro na partida foi a falta de um homem de ligação. Caio Júnior optou por um meio-campo formado por quatro volantes (Jaílton, Cristian, Jonatas e Ibson). A falta do ex-camisa 22 Marcinho foi sentida pelo elenco. Diego Tardelli não demonstrou a desenvoltura do antigo titular e artilheiro do campeonato Brasileiro. Com a saída de Renato Augusto para o Bayer Leverkusen, o time conta apenas com o jovem Erick Flores, que ainda não está apto a titularidade, vide o jogo contra o Atlético-MG, no Mineirão. Ele demonstrou personalidade assim que entrou, mas depois, ficou um pouco perdido e sumiu da partida.

O mercado europeu e o calendário brasileiro são imcompatíveis como todos sabem. Já levantaram a hipótese de mudar a nossa maneira de disputa, semelhante aos campeonatos do Velho Mundo, mas o problema não está aí, e sim, na "fantástica" Lei Pelé que foi criada beneficiando apenas os empresários dos jogadores que mais se destacam no país.

Os times perdem seus principais jogadores e ao fim do ano, a formação é totalmente diferente. Se já não bastasse a Europa, os países do Oriente Médio com seu chamado petrodólares também são uma dor-de-cabeça para os clubes brasileiros. Qualquer proposta oficial que chega nas mãos dos dirigentes brasileiros é motivo de nostalgia, pois é um dinheiro que chega sempre em boa hora para financiar as dívidas milenares ("O Flamengo está no topo desse ranking, devendo mais de R$ 242 milhões" - Revista Época).


A esperança dessas vendas para a torcida e a chegada de jogadores que não tenham se destacado no mercado exterior e que ainda possuem um nome respeitado aqui. O Flamengo negocia com Felipe, Renato Abreu e surge a notícia de que estaria negociando com Daniel Carvalho, do CSKA, da Rússia. Riquelme e D´Alessandro também foram sondados pela IMPRENSA. Nenhum desses jogadores é fácil de contratar, portanto não se enganem nas matérias publicadas pelos jornais de que aquele ou aquele já estaria acordado com tal time. Isso tudo é lorota para vender jornal.

Enquanto os clubes não se estruturarem e começarem a criar uma filosofia independente, ficará muito complicado a estabilização financeira. Porque nos clubes dinheiro é vendaval, vem e é devastado rapidamente, seja pela má impregnação do capital ou pelo desvio indevido pelos cartolas para seus bolsos.

do fundo do baú: Botafogo (RJ) 5 X 1 Corinthians (SP)

No dia 10 de Março de 1966, numa Quinta-feira, Botafogo e Corinthians se enfrentaram no Maracanã pelo Torneio Rio- São Paulo e os alvinegros carioca saíram vencedores com uma goleada de 5 tentos a 1. Nesse ano foram campeões empatados Botafogo, Corinthians, Santos e Vasco da Gama

Principal Artilheiro do Campeonato

Parada (Bot): 8 Gols

O Jogo

BOTAFOGO (RJ) 5 x 1 CORINTHIANS (SP)
Data:
10 / 03 / 1966
Torneio Rio-São Paulo
Local: Maracanã
Árbitro: Armando Marques
Gols: Bianchini (2), Jairzinho (2) e Parada; Rivellino
BOTAFOGO: Manga, Joel (Paulistinha), Zé Carlos, Dimas e Rildo; Marcos e Gérson; Jairzinho, Parada (Sicupira), Bianchini e Roberto (Afonsinho) / Técnico: Admildo Chirol
CORINTHIANS: Marcial, Maciel, Ditão, Galhardo e Édson; Dino Sani (Nair) e Rivellino; Garrincha, Flávio (Ney), Tales e Gílson Porto (Bataglia) / Técnico: Oswaldo Brandão
Obs: Bianchini e Édson foram expulsos.

O Craque: MangaNascido no Recife em 1937, o filho de seu José Domingos e dona Élida Corrêa vem de uma linhagem de jogadores de futebol, que incluía dois de seus irmãos: Alemão, ex-zagueiro do América-RJ, e Manguito, ex-goleiro do Olaria. Dos três, porém, foi Manga quem chegou mais alto, conquistando títulos por praticamente todas as equipes pelas quais jogou.

Isso desde 54, quando começou no juvenil do Sport. No ano seguinte, já se consagrou campeão estadual da categoria sem sofrer gols. O desempenho lhe valeu proposta precoce do Vasco da Gama, mas o Leão da Ilha do Retiro pediu muito alto para deixá-lo ir e ele continuou defendendo as cores do clube do Recife.

Ainda em 55, a permanência em Pernambuco valeu ao ainda jovem Aílton uma vaga no time principal do Sport, ainda que de maneira inesperada. Comandados pelo técnico Dante Bianchi, os rubro-negros excursionavam pela Europa com Oswaldo Balisa como dono das traves. Balisa se machucou na estréia contra o Sporting-POR e foi substituído pelo reserva Carijó. A diretoria do clube chegou a propor ao treinador a compra de um novo arqueiro, mas Bianchi preferiu que mandassem buscar o jovem talento que ele tinha no time juvenil, ainda no Recife. Chegou e virou titular do time, de onde só saiu quando foi para o Botafogo, em 59.

Foi também em 55 que Aílton recebeu a alcunha de Manga. “Ganhei o apelido por causa do goleiro do Santos, que era o papão da época e se chamava Manga. Não foi por gostar da fruta. Tenho horror a manga”, explicou em entrevista da época, talvez constrangido. Mais para frente, a versão mudou, com a inclusão de um primo na história. “Ele me disse que, por causa da minha varíola, minha cara ficou com crateras do tamanho de mangas. Pegou o apelido”, afirmou, duas décadas depois.


Três títulos do Campeonato Pernambucano, e o Sport não conseguiu mais segurar sua revelação. Em 59, Manga iria para o Botafogo para nova consagração: no total, foram quatro títulos estaduais e três do Rio-São Paulo em nove anos defendendo o clube da Estrela Solitária. Todos com os dedos tortos, resultado de fraturas mal-recuperadas que recusararam uma cirurgia corretora paga pelo próprio Carlito Rocha, lendário presidente do Botafogo na época.

As boas atuações de Manga no Rio de Janeiro valeram a ele a convocação para a Copa do Mundo de 66, na Inglaterra. Apesar de ser originalmente reserva, ele acabou assumindo a vaga de Gilmar na partida contra Portugal. A derrota por 3 a 1 para o time de Oto Glória serviu não apenas para selar a eliminação do Brasil no Mundial como para encerrar o ciclo de Manga na seleção, da qual foi banido após ser pego acompanhado na concentração.

Não foi, nem de longe, o melhor momento da carreira do goleiro. Na conquista do Campeonato Carioca de 67, contra o Bangu, Manga foi um dos responsáveis pelo placar de 2 a 1 que evitou o bicampeonato dos alvirrubros.

Ainda assim, não foi perdoado pelo jornalista João Saldanha, que o acusou de ter facilitado no lance do segundo gol do Bangu, anulado pelo árbitro Antônio Viug. No primeiro encontro entre os dois após a partida, João mostrou o porquê do apelido de “João sem medo”: deu um tiro para o chão, do qual Manga escapou em desabalada carreira, saltando um muro e deixando o Botafogo em 68, depois de 445 partidas.

Fora do Glorioso, Manga resolveu encarar o desafio de jogar no Nacional, do Uruguai, aos 30 anos. Estreou no clube charrúa em 7 de setembro de 68 contra o Danúbio, sem sofrer gols. No total, foram 339 minutos invictos logo nos primeiros quatro jogos. A passagem pelo futebol cisplatino ainda valeu ao pernambucano uma série de títulos, dentre os principais a Libertadores de 71, vencida contra ninguém menos do que o Estudiantes de la Plata, então tricampeão da competição. No final do ano, o time ainda venceria o Panathinaikos no Uruguai e se sagraria campeão do Mundial Interclubes.

A passagem pelo futebol uruguaio deu muita dor de cabeça para Manga, que perdeu muito dinheiro nos cassinos locais. Mas também rendeu a ele o reconhecimento da exigente torcida tricolor, que se manteve invicta em 16 clássicos consecutivos contra o Peñarol graças às boas atuações do time que tinha - além de Manga - Ancheta, Mujica, Montero Castillo, Artime e Morales.

Manga conquistou ainda o respeito do técnico do clube, Washington Etchamendi, que tentou naturalizá-lo uruguaio – em vão, já que Manga pretendia defender a seleção brasileira em mais uma Copa do Mundo e mostrar que havia sido um injustiçado em 66. Não conseguiu.

Ainda no Nacional, mais exatamente no dia 30 de maio de 74, Manga marcou seu único gol como profissional. Foi no jogo contra o Racing, batendo um tiro de meta, no qual a bola foi mais para a frente do que o camisa um imaginou. Tanto foi que acabou encobrindo o goleiro Posadas, adiantado. Calcaretta ainda se posicionou para receber o lançamento e empurrá-lo para o gol vazio, mas preferiu acompanhá-lo e apenas evitar que a bola saísse, sem tocá-la para não atrapalhar o momento histórico.

O lance serviu para encerrar com ainda mais brilho a passagem de Manga no futebol do Uruguai. Aos 37 anos, ele já tinha quilometragem e títulos suficientes para pendurar as chuteiras com o dever cumprido. Ainda assim, sua segurança embaixo das traves continuava despertando o interesse de diversos clubes do Brasil. Ainda em 74, o folclórico presidente Vicente Matheus tentou trazê-lo para o Corinthians, mas não conseguiu entrar em acordo com o Nacional quanto à forma de pagamento. Para alívio de Manga, seu passe acabou sendo negociado com o Internacional.

No Inter, que já havia faturado o pentacampeonato gaúcho entre 69 e 73, Manga chegou para ser a cereja do bolo. Esteve presente nos três títulos estaduais que ainda viriam, naquela que seria a maior série de títulos consecutivos de um clube no Rio Grande do Sul: oito. Não contente com o domínio estadual, Manga foi campeão brasileiro com o time em 75 e 76. No primeiro, atuou em todos os 81 jogos do time no ano; no segundo, conquistou o título quase aos 40 anos, o que o tornou o jogador mais experiente a levantar a taça nacional da história – recorde até hoje inigualado: Manga foi campeão com o Inter aos 39 anos, sete meses e 16 dias.

Procurado pela própria diretoria do Inter, Manga renovou até 77. Foi um dos poucos, já que o time começou a se desfazer do elenco campeão que tinha em mãos “Sem que ninguém conseguisse entender, o Internacional resolveu desfazer aquele timaço que jogava por música, sob o comando do competente treinador Rubens Minelli”, explicou, na ocasião. “Sinceramente, tenho saudades daquele time e daqueles companheiros. Pena que tudo tenha sido desfeito.”

Porém, não durou muito mais a permanência do experiente goleiro; ainda em 77, o Colorado resolveu trazer o paraguaio José Benítez, do Olímpia, para disputar posição com o então campeão brasileiro. Insatisfeito com o banco, aos 40 anos, Manga resolveu deixar o Beira-rio – embora a aposentadoria não fizesse parte de seus planos. “Nunca fui reserva em toda minha carreira, mas o Internacional me desprezou e quis me colocar no banco depois da contratação do Benítez, que jogou na seleção paraguaia. Não aceitei essa condição e deixei o clube”, admitiu.

Entusiasmado com sua saída de Porto Alegre, o Atlético-MG ainda tentou contratá-lo para dar mais segurança à sua defesa. Manga não foi e acabou surpreendendo ao acertar com o Operário-MS para a disputa do Brasileirão. Surpresa maior viria mais tarde, quando o time do técnico Carlos Castilho conquistaria a terceira colocação dentre os 62 que participaram da Copa Brasil, o Brasileirão daquele ano.

Em 78, seria hora de deixar Campo Grande e encerrar a carreira, certo? Errado! Uma passagem rápida pelo Coritiba, mas que rendeu a ele o título de campeão paranaense. Em 79, a aposentadoria é adiada mais um pouco para voltar para Porto Alegre, onde, já em fim de carreira, jogou exatamente pela metade azul da capital gaúcha. Aos 44 anos, Manga virava titular do Grêmio para confirmar ser o melhor goleiro do Brasil, como dizia. “Sou muito mais eu do que muito goleiro de 20 anos”, dizia o camisa um, que ainda garantia ser “igual ao vinho; quanto mais velho, melhor”.

Ok, um título gaúcho a mais na carreira, 42 anos, e Manga vai parar, certo? Que nada: em 80, com 25 anos de carreira, ele ainda aceita seu último desafio internacional, atuando pelo Barcelona de Guayaquil, onde foi campeão equatoriano de 81. No ano seguinte, aos 45 anos, ainda recebeu propostas de diversos times brasileiros, como Paysandu, Sport e Sampaio Corrêa, mas resolveu que havia chegado a hora de encerrar a vioriosa carreira.

Aposentado, Manga preferiu continuar no Equador, onde se tornou treinador de goleiros e garantia não ter se arrependido de ter prolongado tanto a carreira. “O que vale ao jogador é sua condição física e técnica, nunca a idade”, garante o goleiro, com um balanço positivo dos anos que dedicou ao esporte. “No futebol, tive muito mais alegrias do que tristezas. De todos os títulos que disputei em minha carreira, só não consegui mesmo a Copa do Mundo. Mas não há motivo para lamentações, pois isso também faz parte da carreira do jogador.”

Nome: Aílton Corrêa de Arruda (Manga)
Data de nascimento: 26 de abril de 1937, no Recife, PE.

Clubes: Sport (55 a 59), Botafogo (59 a 68), Nacional-URU (68 a 74), Internacional (74 a 77), Operário-MS (77), Coritiba (78), Grêmio (79) e Barcelona-EQU (80 a 82).


Títulos: Campeonatos Pernambucano pelo Sport (55, 56 e 58); Carioca (61, 62, 67 e 68) e do Rio-São Paulo (62, 64 e 66) pelo Botafogo; Uruguaio (69, 70, 71 e 72), da Libertadores (71) e do Mundial Interclubes (71) pelo Nacional-URU; Gaúcho (74, 75 e 76) pelo Inter e (79) pelo Grêmio; Brasileiro (75 e 76) pelo Inter; Parananense (78) pelo Coritiba; e Equatoriano (81) pelo Barcelona de Guayaquil.


Por Emanuel Colombari

Fonte: Gazeta Esportiva.Net